Nas Bancas

1.jpg

Ana Padrão recebe primeiro Globo de Ouro da sua carreira

Pelo desempenho no filme ‘Jogo de Damas’.

CARAS
21 de maio de 2017, 22:21

Aos 49 anos, e passados mais de 30 desde a sua estreia no grande ecrã, Ana Padrão venceu o Globo de Ouro de melhor atriz de Cinema, pelo trabalho no filme Jogo de Damas, a primeira longa-metragem da realizadora Patrícia Sequeira. Na trama, onde contracena com Ana Nave, Fátima Belo, Maria João Luís e Rita Blanco, a atriz dá vida a Dalila, uma de cinco mulheres que se reencontram no funeral de uma amiga comum e partilham segredos, memórias e refletem sobre a existência. “Parabéns às outras nomeadas. Eu estou muito feliz por estar aqui. Este filme foi um projeto muito interessante e eu quero dedicar este Globo a todos os que fazem cinema, porque mais do que fazer filmes, é preciso fazer cinema”, disse Ana Padrão ao receber o prémio entregue por Bárbara Guimarães e Rodrigo Guedes de Carvalho.

Ana Padrão nasceu a 4 de julho de 1967, em Lisboa. O pai era oficial do exército e a família estava constantemente a mudar de casa. Tinha apenas alguns meses quando foi viver para Angola, tendo regressado a Portugal já com seis anos. Aos 17 decidiu sair de casa dos pais e apostar numa carreira na representação. Começou por estudar Antropologia, mas fez uma audição para o Conservatório Nacional e foi selecionada. Durante algum tempo ainda conciliou as duas coisas, mas acabou por desistir do primeiro curso.
Ana Padrão formou-se na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa e fez também o curso de Formação de Atores, sendo atualmente um rosto incontornável do cinema, teatro e televisão portugueses. Já trabalhou com realizadores como José Nascimento, Joaquim Leitão, Jorge Silva Melo, Fernando Lopes, Raoul Ruiz, João César Monteiro, Jorge Queiroga, José Fonseca e Costa, António-Pedro Vasconcelos, Mário Barroso, Cristina Boavida, Carlos Coelho da Silva, Alexandre Valente ou Bruno de Almeida. Les Charlots (986), Mar à Vista (1989), A Ilha (1990), My Daughter’s Keeper (1990), L’Éternel Mari (1990), Det Bli’ri Familien (1993), A Tempestade da Terra (1996), La Balsa de Piedra (1999), Os Imortais (2002), O Milagre Segundo Salomé (2003), The Lovebirds (2004), Call Girl (2007), Amália (2008), Second Life (2008), Gigola (2009), The Lecture (2010) e Operação Outono (2012) são apenas alguns dos filmes em que a atriz se destacou.
Em televisão, também é presença assídua nas telenovelas da SIC, com especial destaque para Amor Maior (2016), Coração d’Ouro (2015), Sol de Inverno (2013/2014), Dancin’ Days (2012), Rosa Fogo (2012), Laços de Sangue (2011), Podia Acabar o Mundo (2008/09), Vingança (2007) e Jura (2006/07), entre outras.
A destacar ainda o telefilme Amo-te Teresa (2000), que protagonizou com Diogo Morgado e que a tornou conhecida do grande público português.
Este Globo de Ouro pelo filme Jogo de Damas vem juntar-se aos outros prémios recebidos pela atriz ao longo da sua carreira: um Emmy Award coletivo pela novela Laços de Sangue, da SIC, e um prémio do júri do Lauderdale International Film Festival, por La Balsa de Piedra.
A atriz é casada e tem duas filhas, de 18 e 14 anos.
Nesta categoria estavam também nomeadas Joana Bárcia (no filme Cinzento e Negro) Maria João Abreu (no filme A Mãe é Que Sabe) e Mónica Calle (no filme Cinzento e Negro).

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras