Nas Bancas

Tabu

Tabu

D.R.

‘Tabu’ é o Melhor Filme de 2012

Depois de receber vários prémios no estrangeiro, o filme de Miguel Gomes foi distinguido na XVIII Gala dos Globos de Ouro.

Redação CARAS
19 de maio de 2013, 22:29

“Pilar vive os seus primeiros anos de reforma a tentar endireitar o mundo e a lidar com as culpas dos outros, tarefa cada vez mais frustrante nos dias que correm. Participa em vigílias pela paz, colabora em grupos católicos de intervenção social, quer acolher em casa jovens polacas que vêm a Lisboa para participarem num encontro ecuménico Taizè, põe e tira da parede da sala um quadro muito feio que um amigo pintor lhe ofereceu para que este não se ofenda por ali não o encontrar quando lhe fizer uma visita… E inquieta-se sobretudo com a solidão da sua vizinha Aurora, uma octogenária temperamental e excêntrica, que foge para o casino se tiver dinheiro com ela, fala constantemente da filha que não parece querer vê-la, ressaca antidepressivos e desconfia que a sua criada cabo-verdiana, Santa, dirige contra ela práticas malévolas de voodoo. De Santa quase nada sabemos, é de poucas palavras, executa ordens e acha que cada um deve meter-se na sua própria vida. Frequenta aulas de alfabetização e exercita-se à noite com uma edição juvenil de Robinson Crusoe, enquanto fuma cigarros estirada no sofá da patroa. Aurora fará um misterioso pedido e as outras duas unem-se para o tentar cumprir. Quer encontrar-se com um homem, Gianluca Ventura, que até àquele momento ninguém sabia que existia. Pilar e Santa irão descobrir que este existe, mas informam-nas de que já não está bom da cabeça. Ventura tem um pacto secreto com Aurora e uma história por contar. Uma história passada há cinquenta anos, pouco antes do início da Guerra Colonial portuguesa. Começa assim: «Aurora tinha uma fazenda em África no sopé do monte Tabu…”.
É esta a história de Tabu, o filme que arrecadou o troféu de Melhor Filme na edição deste ano dos Globos de Ouro. Realizado por Miguel Gomes e com um elenco que conta com os nomes de Ana Moreira, Carloto Cotta, Teresa Madruga, Isabel Muñoz Cardoso e Laura Soveral, a produção recebeu vários galardões internacionais: no Festival de Cinema de Berlim foi-lhe atribuído o prémio Alfred Bauer e FIPRESCI (um dos mais importantes da crítica cinematográfica), e no Festival Internacional de Cinema de Las Palmes arrecadou o prémio Lady Harimaguada de Prata e o prémio do público.
O prémio foi entregue porJúlia Pinheiro e Rodrigo Guedes de Carvalho ao produtordo filme, uma vez que o realizador, MiguelGomes, se encontra no Festival Internacional de Cinema de Cannes. Ficaramos agradecimentos à equipa técnica e aos atores, entre eles Ana Moreira eCarloto Cotta, e ainda uma referência ao momento difícil que o cinema portuguêsatravessa devido à crise económica. “Peço,a vocês que resistem e aos senhores que mandam neste país que tenham juízo”,concluiu o produtor de Tabu.
Nesta categoria estavam ainda nomeados Florbela (de Vicente Alves do Ó), Linhas de Wellington (de Valeria Sarmiento) e O Gebo e a Sombra (de Manoel de Oliveira).

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras