Nas Bancas

Diana47.jpg

Paulo Miguel Martins

Diana de Cadaval: “Não vivo na ilusão de que há amores perfeitos”

A promover o seu livro “Amor e Poder”, a duquesa de Cadaval fala do lugar que os afetos têm na sua vida.

Marta Mesquita
2 de junho de 2019, 22:00

Diana de Cadaval sempre foi fascinada por histórias de amor. Com os anos, a ingenuidade da infância deu lugar a um querer saber mais sobre os protagonistas dos amores que lia nos livros ou via no cinema. E foi esta curiosidade que a levou a escrever Amor e Poder – De Cleópatra a Grace Kelly, 10 Grandes Histórias de Amor. Tal como aconteceu nos seus primeiros três romances, neste que já é o seu quinto livro a duquesa de Cadaval continua a apresentar aos leitores grandes figuras reais. Contudo, desta vez a ficção foi trocada pela verdade, não comprometendo em nada o ritmo e a carga emocional da narrativa, até porque, como explica na introdução da obra, “muitas vezes a realidade supera em muito a ficção – no caso do amor, tenho a certeza de que é a mais absoluta verdade”.
Numa manhã passada no colorido e vibrante Mercado de Cascais, Diana de Cadaval, de 40 anos, falou-nos da história de amor que vive com o príncipe Charles-Philippe d’Orléans, com quem se casou em junho de 2008 e de quem tem uma filha, Isabelle, de sete anos, frisando que o “foram felizes para sempre” só se atinge aceitando o outro tal como ele é e ultrapassando juntos os desafios do dia a dia.

– Sempre gostou de histórias de amor?

Diana de Cadaval – Sim, e gosto de escrever histórias de amor. Com este livro quis fazer uma viagem pelo tempo, daí ter começado na Cleópatra e ter acabado na Grace Kelly. É um relato mais histórico e menos romanceado. São dez casais que retratam também dez épocas muito distintas, mas todos os relatos giram à volta do amor e do poder. Além disso, quis explorar vários tipos de amores. Há o amor não correspondido de Catarina de Bragança e Carlos II de Inglaterra, o amor idílico de Grace Kelly e Rainier III do Mónaco, o amor tempestuoso de Carlota Joaquina e D. João VI de Portugal, entre tantos outros.

– E também sempre sonhou em viver a sua própria história de amor?

– O amor é o elemento fundamental das nossas vidas e acho que isso é verdade para qualquer pessoa. Uma vida sem amor acaba numa grande solidão. Todos precisamos de amar. Podemos viver um amor cúmplice, um amor entre marido e mulher, entre mãe e filha… Há muitas formas de amar.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras