Nas Bancas

0.jpg

Getty Images

Victoria’s Secret: estamos a assistir ao declínio do gigante?

Depois das audiências mais baixas de sempre no último ano, o já tradicional desfile anual da Victoria's Secret foi cancelado.

CARAS
15 de maio de 2019, 16:14

O desfile anual da Victoria's Secret não voltará a ter transmissão televisiva. Um dos espetáculos mais aguardados do mundo da moda perde assim um formato com mais de 20 anos.

A marca de lingerie atravessa um momento complicado e os números refletem isso mesmo. O último desfile foi gravado no passado dia 8 de novembro e transmitido na televisão nos Estados Unidos um mês depois, com uma audiência de 3,3 milhões de espectadores, o número mais baixo desde a primeira emissão, em 1995.

De facto, era de esperar que as audiências melhorassem, dado que o desfile não foi transmitido no canal noticioso CBS, como já era hábito, mas sim na ABC. Tudo parecia apontar para que o número de espectadores aumentasse face ao ano anterior, cujos resultados já tinham sido os piores de sempre, com apenas cinco milhões de espectadores, mas a realidade foi bem diferente.

De salientar que, em edições anteriores, o número de pessoas que acompanhavam o desfile em direto pela televisão rondava os 10 milhões.

Este declínio nas audiências pode poderá estar relacionado com o surgimento de vários movimentos que promovem a autoaceitação do corpo e, dessa forma, o público revê-se cada vez menos nos corpos e rostos "perfeitos" das 'angels'.

Leslie Wexer, o CEO da companhia L. Brands (que detém a Victoria's Secret) informou que a televisão deixou de ser o "canal mais adequado" para este tipo de evento, tendo a intenção de criar "um novo estilo de show". "A moda é um negócio de mudança. Devemos evoluir e mudar para crescer. Com isto em mente, decidimos repensar o tradicional desfile de Victoria's Secret. Em 2019, e de aqui em diante, vamos centrar-nos no desenvolvimento de conteúdo emocionante e dinâmico e num novo tipo de evento, que se difundirá entre os nossos clientes noutras plataformas ligadas ao presente", afirmou o CEO, num comunicado difundido pela estação de televisão americana CNBC.

As vendas da marca têm caído globalmente, tendo os preços antingido o mínimo histórico. Várias lojas da marca já fecharam portas. O responsável pelo Marketing da L. Brands contou à Vogue que a sua aposta passava unicamente por corpos esbeltos, não havendo lugar para pessoas com outras medidas, porque "ninguém estava interessado". Recorde-se que, ainda assim, a marca tem mostrado alguma abertura, através da contratação de mais modelos asiáticas e africanas, bem como de Winnie Harlow, a primeira modelo com vitiligo.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras