Nas Bancas

Leonor Seixas: “Sou naturalmente feliz, a vida melhora com o passar do tempo”

A atriz está nos cinemas, no filme “Ladrões de Tuta e Meia”, e no Teatro da Luz, na peça “A Última Ceia”.

Vanessa Bento
11 de maio de 2019, 09:11

Há 15 anos que Leonor Seixas, de 38, dá tudo de si à arte que escolheu como vida. É no palco que se sente inteira e é como atriz que se reconhece. Mas a sua essência vai muito mais além. Ávida por agarrar o mundo, Leonor vive em constante viagem e já não se imagina de outra forma. Até porque no seu coração cabe o nosso país, que é a sua casa, mas também Los Angeles, onde passa grandes temporadas a trabalhar. Por enquanto, e até 31 de maio, a principal morada da atriz será o Teatro da Luz, em Lisboa, onde é uma das protagonistas de A Última Ceia, uma produção da Companhia da Esquina, com encenação de Jorge Gomes Ribeiro. Foi precisamente esse o palco para esta entrevista, em que Leonor falou de si de forma livre, sem, no entanto, confirmar ou desmentir as notícias que no verão do ano passado a davam como separada do marido, o assistente de realização Pedro Brandão.

– Tendo em conta uma frase de Heath Ledger que partilhou no Instagram, na qual ele dizia que toda a gente pergunta o que se anda a fazer, como está o trabalho, se já se casou, como se a vida fosse uma lista de supermercado, mas que ninguém pergunta se se é feliz, começo esta entrevista por lhe perguntar isso mesmo: é feliz?

Leonor Seixas – Sou uma pessoa naturalmente feliz, mas estou numa fase muito feliz. Os anos vão passando e nós vamos evoluindo, crescendo, e a vida vai ficando melhor. Vamos tendo mais defesas e a capacidade para ser feliz é maior. Talvez porque as exigências são menores. Continuo a ter imensos objetivos e a desejar imensa coisa, mas estou a conseguir viver o presente. E quando conseguimos realmente viver o presente, não estamos agarrados ao passado e tudo o que vem é bom. Quando se consegue isto, alcançamos uma plenitude de felicidade. E quando vierem coisas menos boas, vou tentar navegar nesses mares da maneira mais positiva que possa.

– A felicidade não é, de facto, um dado adquirido...

– Pois não. Às vezes sinto que a vida é um mar: estamos no meio do oceano e umas vezes as águas estão calmas, outras vezes estamos no meio de uma tempestade, e temos de ir navegando. Temos a opção de nos deixarmos afundar, mas em princípio não é a que queremos, porque temos instinto de sobrevivência, mesmo sem a certeza do que vem aí. Navegar numa tempestade é doloroso, por dentro e por fora, mas é necessário. E depois acalma. O bom vai e vem e o mau vai e vem. E perceber isto é fixe. Uma coisa que me tem ajudado muito é não ignorar o que estou a sentir, sobretudo quando acontece algo de menos bom. Aceito o que estou a sentir mas não alimento isso.

– O que é que mais a assusta na vida?

– Sofrer. A morte não me assusta, mas o sofrimento sim. E pode ter várias faces: pode ser a falta de dinheiro, a falta de amor, a falta de coragem...

– Ser atriz e dar vida a tantas personagens ajuda a saber lidar com essas situações e sentimentos?

– Ajuda. Acho que o trabalho de atriz tem um trabalho enorme de psicologia por detrás. Depois, depende de como cada ator aplica isso à profissão e à sua vida pessoal. Por isso é que gosto de fazer personagens que não têm a ver comigo, para poder vivenciar coisas que, se calhar, nunca irei dizer ou fazer. Por exemplo, nesta peça que estou a fazer mato pessoas, e estou a adorar! [Risos.] Trabalhamos muito com a mente humana, com a criação de uma pessoa, e a minha técnica passa muito por aí, por perceber porque é que a minha personagem diz aquilo, por acreditar no que estou a fazer, porque tenho que ser essa pessoa. Mas depois tem sempre lá a Leonor.

– E como está a ser este regresso ao palco?

– Estou muito contente. É um grupo maravilhoso, damo-nos muito bem. Este projeto, em si, está a ser muito especial e um bocadinho cansativo, mas adoro fazer teatro e a peça em si é espetacular.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras