Nas Bancas

_RCS6871.jpg

RICARDO SANTOS

Ao lado das filhas, Ana e Rosa, Felipa Garnel revela: “Gosto de me pôr à prova”

Numa tarde em família, a ex-apresentadora contou como a experiência enquanto motorista da Uber a transformou.

Marta Mesquita
6 de abril de 2019, 10:02

Quando Felipa Garnel disse às filhas, Ana, de 13 anos, e Rosa, de 15, que iria ser motorista da Uber, não recebeu reações entusiastas. “Fiquei um bocadinho assustada, porque tinha medo que a minha mãe se magoasse. Também tinha receio de que pudesse apanhar alguns amigos meus, à noite, num estado alterado e que mudasse a opinião que tinha a respeito deles”, justifica a filha mais velha. “A minha reação foi drástica. Só lhe disse: ‘Se a mãe quer arranjar histórias, vá para a porta de um hospital.’ Não queria que a minha mãe conduzisse os meus amigos, mas, graças a Deus, isso não aconteceu”, conta Ana. Se as filhas não foram logo conquistadas por esta ideia, já o marido, o médico Nuno Lobo Antunes, e o filho mais velho, Tomás, de 35 anos, que nasceu de uma relação anterior e lhe deu já um neto, Joaquim, de quatro anos, apoiaram-na desde o primeiro momento. Felipa seguiu a sua vontade e avançou. Quer e faz. É assim aos 54 anos, como sempre foi. Igual a si própria, escolhe o que a faz feliz, mesmo que isso a leve por caminhos menos óbvios. E foram precisamente os testemunhos que ouviu ao longo das estradas que percorreu ao serviço da Uber que a ex-apresentadora conta no livro Confidências – As Minhas Histórias como Motorista da Uber.
Numa tarde passada ao lado das filhas, Felipa conversou com a CARAS sobre o impacto que estas Confidências tiveram nela e como tem conservado uma certa rebeldia, que lhe permite acreditar que os sonhos não têm prazo de validade.
– Olhando para estas fotografias, parece que já tem ali mais duas Felipas. Revê-se muito nelas?
Felipa Garnel – As opiniões divergem. Há muitas pessoas que acham a Ana mais parecida comigo, outras mais a Rosa. Quem me conheceu na idade da Rosa acha-a muito parecida comigo. A Ana é um furação, leva tudo à frente, é uma líder, é refilona, defende a Rosa, briga com os amigos da irmã… A Rosa é mais tranquila, tem um coração do tamanho deste planeta, tem uma sensibilidade incrível e é mais artística. São muito diferentes. De feitio, o meu marido diz que a Rosa sai completamente a ele, mas eu acho que ela tem muitas coisas minhas. Agora, numa análise rápida, eu também sou um bocadinho furacão, como a Ana. Fisicamente, elas são uma boa mistura dos dois.
– Acaba de lançar o livro Confidências – As Minhas Histórias como Motorista da Uber. Foi difícil contar à família que queria viver esta aventura?
– Tinha esta ideia há muito tempo. Cheguei a falar com uma sobrinha do meu marido que queria ser taxista e ainda pensámos na possibilidade de partilharmos um táxi, mas essa ideia acabou por nunca ir para a frente. Agora, quando decidi avançar, já foi com o propósito de escrever o livro. Havia uma editora que me desafiava para escrever um livro, mas só queria aceitar se tivesse uma ideia realmente interessante. E então propus isto. Como sou ansiosa, quando decido algo, avanço e trato logo de tudo. Em dois dias tinha tudo pronto para começar.

Uma entrevista para ler na íntegra na edição 1233 da CARAS

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras