Nas Bancas

Brigitte Macron: uma manipuladora, diz nova biografia não autorizada

Duas jornalistas retratam a mulher do Presidente francês, Emmanuel Macron, de forma pouco lisonjeira.

Ana Oliveira
24 de fevereiro de 2019, 17:09

Dizer que a recém-editada biografia não autorizada da primeira-dama francesa, Brigitte Macron, é pouco lisonjeira é um enorme eufemismo: segundo as autoras do livro Madame la Présidente, Ava Djamshidi e Nathalie Schuck, jornalistas do diário Le Parisien, a mulher de Emmanuel Macron é de tal forma manipuladora que a entourage do Presidente fantasia... com a morte dela. Mas é apenas uma forma de assumirem que preferiam vê-lo fora da esfera de influência da mulher. Por outro lado, o mesmo livro admite que ela é bem aceite pelos ministros atuais e que é a primeira a pedir ao marido que deixe os conselheiros descansarem, pois considera que este tem tendência para abusar deles. Os mesmos que sonham com o desaparecimento dela. É o chamado fair-play.
Defendem as autoras que Brigitte é a primeira e última conselheira do marido, mesmo no que toca aos assuntos de Estado, retratando-a como uma das arquitetas da campanha que o levou ao Eliseu em 2017 e garantindo que foi ela que o “empurrou” para a corrida. Com um grande ascendente sobre o Presidente – que, dizem, procura frequentemente o olhar de aprovação dela em público –, a opinião de Brigitte será, reivindicam as autoras do livro, responsável pela nomeação de ministros, por exemplo, ou pelo facto de o marido ter começado a falar mais em público, pois, supostamente, disse-lhe que seria a melhor forma de se aproximar da população.
Não é difícil acreditar neste retrato de um casal que tem pouco de vulgar. Com uma diferença de idades de 24 anos (ele tem 41, ela 65), conheceram-se quando ele era adolescente e ela professora dele, casada e mãe de três filhos, dois deles mais velhos que o próprio Emmanuel: Sébastien tem mais três anos que o padrasto, Laurence, um, e Tiphaine é seis anos mais nova. Brigitte contaria, anos mais tarde, que a insistência dele em encontrar pretextos para passarem tempo juntos, sempre associados à disciplina de Dramaturgia que ela dava, foi-lhe permitindo conhecê-lo melhor. Os pais de Emmanuel mudaram-no de escola, incomodados com o interesse do filho na professora, mas ele ter-lhe-á dito que voltaria e haveria de se casar com ela.
“Fui completamente cativada pela inteligência dele”, explicaria mais tarde a atual primeira-dama numa entrevista à Paris Match. “Ele não era como os outros. Discutia com os professores, andava sempre cheio de livros. (...) Era uma relação de adulto para adulto.” Quando o jovem atingiu a maioridade, começaram a namorar às escondidas. Brigitte, entretanto, divorciou-se e o estigma da diferença de idades acabou por afastar os amigos dela. Foi preciso insistir na relação contra tudo e contra todos e, mais de dez anos depois, quando Emmanuel tinha 30 anos, acabaram por se casar.
Com este historial – veja-se que em termos de sacrifícios o percurso foi bem mais penoso para a antiga professora –, não admira que o Presidente francês tenho a maior consideração pela vontade e opinião da mulher.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras