Nas Bancas

BeFunky-collage (1).jpg

Pedro Jorge Melo

Diana Chaves admite: “Se não tivesse o meu marido e a minha filha, jamais seria feliz”

A apresentadora e atriz falou das emoções positivas que a sua vida familiar lhe proporciona.

Marta Mesquita
27 de janeiro de 2019, 17:02

Adepta de um estilo de vida saudável, Diana Chaves encontrou espaço na sua agenda para animar o peddy-paper no pomar da Frutologia Compal, na Quinta Pedagógica dos Olivais, durante o qual adiantou que quando tem um dia de gravações mais longo nunca se esquece de pôr na mala peças de fruta, que lhe dão energia. E energia é o que não lhe tem faltado nesta fase de muito trabalho. Depois de apresentar o programa Casados à Primeira Vista, Diana está agora a conduzir O Carro do Amor, mais um formato de sucesso da SIC, onde as pessoas vão à procura da sua cara-metade.
Ao contrário destes concorrentes, a atriz e apresentadora encontrou, há já 11 anos, a pessoa com quem quer passar o resto dos seus dias. Ao lado do ex-futebolista César Peixoto e da filha, Pilar, que faz sete anos em fevereiro, Diana construiu a família que sempre quis e encontrou a estabilidade emocional de que precisa para ser feliz.

– Está à frente de formatos que estão a ser verdadeiros sucessos. Como está a viver esta fase da sua carreira?
Diana Chaves – Tem sido tudo muito bom. Foi um risco aceitar apresentar o Casados à Primeira Vista, porque foi o primeiro programa deste género. É difícil sermos pioneiros, porque a mentalidade portuguesa é um bocadinho fechada e não aceita facilmente coisas novas. Mas houve muito cuidado no casting. Tentámos aproximar os candidatos das pessoas lá de casa. O público identificou-se e tirou partido do formato. As pessoas perceberam que o amor é mesmo importante nas nossas vidas. A estabilidade emocional é fundamental para que tudo o resto corra bem. Sinto que agora as pessoas ficaram mais desinibidas e dizem mais abertamente que estão à procura do amor. Antes destes programas, não havia coragem para admitir isso. Agora, em O Carro do Amor, também sinto que esse tabu caiu por terra. As pessoas querem encontrar alguém e vão à procura.

– Ao ver tantas pessoas à procura de alguém especial, acaba por dar ainda mais valor ao que construiu com o César?
– Sim, completamente. É difícil manter uma relação de muitos anos, onde nem tudo é bom, mas, olhando para trás, vejo que a minha relação com o César e a nossa família é a melhor coisa da minha vida. Mesmo que a carreira fosse maravilhosa, se não tivesse o meu marido e a minha filha jamais seria feliz. Tudo o resto é mais fácil quando temos estabilidade emocional. As dicas que os especialistas do Casados à Primeira Vista dão têm ajudado muitos casais. Acho que não se deve criticar sem se ver.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1223 da revista CARAS.
Assinatura Digital

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras