Nas Bancas

JLI_FilipaGomes-6563.jpg

João Lima

Filipa Gomes: “É a diferença que faz de mim quem sou, desde cedo”

Grávida do segundo filho (já é mãe de Julieta, de três anos), a apresentadora do 24Kitchen prepara-se para estrear um programa na RTP.

Vanessa Bento
12 de janeiro de 2019, 11:29

Aos 34 anos, Filipa Gomes é a cara – e o sorriso – que prova que os sonhos, tal como a vida, não são estanques. E hoje é imensamente mais feliz por causa disso. A cozinha nunca lhe foi estranha, mas não era um caminho óbvio, até que a oportunidade surgiu e Filipa tornou-se numa das caras mais carismáticas do 24Kitchen. Neste momento prepara-se para estrear na RTP, ao lado de José Avillez e Hugo Nascimento, o programa Famílias Frente a Frente e admite que a vida lhe tem dado oportunidades que não esperava, mas que faz questão de agarrar com empenho. A nível pessoal, vive feliz, há dez anos, ao lado de Jorge Trindade, com quem tem uma filha, Julieta, de três anos, e espera o segundo filho, que deve nascer em março. E foi sobre tudo isto que Filipa Gomes falou com a CARAS numa manhã onde o cheiro a bolo de maçã estimulou os sorrisos.

– Há uma música do António Variações que diz “muda de vida se não vives satisfeito”. Depois de sete anos em publicidade, foi o que fez?
Filipa Gomes – Sim. Não vivia satisfeita, mas também não tinha o ímpeto de mudar sozinha, não tinha coragem para dar o salto. Felizmente tenho ao meu lado um homem incrível, que consegue ver para além das oportunidades, que me disse que estava a acontecer um casting que era a minha cara e que eu tinha de ir em frente e tentar. A cozinha era o meu escape e já fazia muita coisa para vender, mas nunca me tinha passado pela cabeça fazer isto. Não cresci a querer ser cozinheira, nem apresentadora, só cresci a gostar muito de comer. E em minha casa o momento da refeição sempre foi de partilha e união. Toda a gente se sentava à mesa para o bem e para o mal, ou seja, a mesa sempre representou um ponto de encontro.

– Hoje consegue reproduzir isso em sua casa?
– Tento ao máximo, e desde muito cedo, e às vezes acho que faço um esforço demasiado grande para o que é comum nos dias de hoje. Pergunto-me se valerá a pena com uma filha que ainda só tem três anos. Dos dois aos três tem sido mais difícil, porque é a fase em que eles são pequenos adolescentes e há dias que são desgastantes, mas continuo firme, embora já ceda mais... Há que ser flexível e a verdade é que não consigo reproduzir tudo o que vivia em minha casa. E não tenho que viver com o peso de fazer tudo exatamente igual. Tem sido também um crescimento interior.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1222 da revista CARAS.
Assinatura Digital

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras