Nas Bancas

0A3A6640_Shot_01_0316-(c)-I.jpg

Mariana Maltoni e Inês Gonçalves

Carminho: “É no fado que expresso melhor os meus sentimentos”

A fadista está a apresentar este novo trabalho com concertos em Portugal.

Andreia Cardinali
12 de janeiro de 2019, 14:33

Filha da fadista Teresa Siqueira, Carminho, de 34 anos, sempre teve contacto direto com o fado e o caminho profissional surgiu de forma natural, quando começou, há 20 anos, a cantar em casas de fado de Lisboa. Com um percurso consolidado, a fadista considerou que seria altura de mostrar um pouco mais daquilo que é a sua essência, algo que desvenda neste seu novo trabalho, o álbum Maria, para o qual transpôs emoções e desejos. Um vislumbre de quem é a Maria do Carmo.
– Este é um disco muito pessoal, a começar pelo nome.
Carminho – É verdade. É um disco em nome próprio. Maria é o meu nome e, de certa forma, é um disco homónimo, e eu acho que esses trabalhos acabam por querer dizer que de alguma maneira o artista está mais intimamente ligado consigo próprio. Posso dizer que é como se trouxesse as pessoas que me ouvem para mais próximo de mim, da minha verdade. Pela primeira vez, fui eu que produzi o álbum, tive mão na composição, na escrita, algo que aconteceu naturalmente. Há uma exposição maior, mesmo que continue a ser de uma forma poética e artística. Diria que este disco é uma regressão da minha pessoa até à minha infância, à minha experiência de fadista. Ouço fado desde criança, aliás, ainda na barriga da minha mãe, e depois a minha ida para Lisboa, a minha ingressão nas casas de fado, a minha decisão de começar a gravar... Todas essas fases me marcaram e eu resolvi avaliar o fado de uma forma mais analítica e transpor isso para este álbum. Na verdade, este disco representa o que é o fado para mim.

– Cada vez mais o fado é misturado com outros instrumentos e géneros musicais. Receia que a raiz fique adulterada?
– Acho que esse receio é importante, mas não nos deve prender nem tirar a liberdade. O fado não é um opressor. Preservar a raiz do fado é algo que qualquer fadista deve fazer, mas isso não quer dizer que não se tenham outras experiências e se interpretem outras canções ou instrumentos. Acho que os extremos é que fazem o fado avançar. O fado não pode parar, é uma língua viva.

– Para quem compõe musical e instrumentalmente, desligar do trabalho deve ser complicado...
– Sim, porque o trabalho está na minha cabeça, não é uma porta que eu consiga fechar. Há até algumas insónias que advêm daí. A minha cabeça é a porta de entrada para o meu trabalho, seja para letras, para ideias de concertos... Mas não desligar também dá frutos, embora seja um pouco cansativo.

– A bem da sanidade mental, às vezes é preciso desligar...
– Estar com os meus sobrinhos é o que me faz desligar e descansar. São crianças muito próximas de mim e que me conhecem muito bem. Os programas que faço com eles, mesmo que vá para algum local onde me reconheçam, levam-me para outro mundo. Tudo o que me é mais próximo e também o que é anterior à minha carreira, as pessoas, os locais, ajuda-me a desligar. A minha profissão é uma parte maior de mim, mas há outras partes que me fazem ver como sou real, igual a todas as outras pessoas.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1222 da revista CARAS.
Assinatura Digital

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras