Nas Bancas

Caras conhecidas voltam atrás no tempo na festa do 50.º aniversário da RTP2

Esta festa contou com a presença de muitas personalidades que fazem parte da história da RTP2.

Marta Mesquita
5 de janeiro de 2019, 13:00

Para assinalar os seus 50 anos, a RTP2 convidou as caras que fizeram e fazem parte da história do canal para uma viagem no tempo. No palco do Cineteatro Capitólio, em Lisboa, revisitaram-se alguns dos programas mais icónicos do canal, havendo ainda espaço para Joaquim Letria, Ana Brito e Cunha e António Victorino d’Almeida, entre outros profissionais que trabalharam nesta estação, partilharem algumas das suas memórias.
No papel de anfitriã, Teresa Paixão, diretora da RTP2, mostrou-se grata por fazer parte de um canal que nunca perdeu a sua identidade e que soube sempre o rumo a seguir, como explicou à CARAS: “É muito bom poder festejar com esta equipa uma data tão significativa. As pessoas que estiveram à frente da RTP2 sempre trabalharam para que fosse especial. É um canal cultural que quer dizer às pessoas que o mundo está cheio de coisas diferentes. Quando apostamos na diversidade, conseguimos incluir o outro, que não é igual. Essa é a génese do canal e, como achamos que isso é bom, não sentimos necessidade de mudar.”
Paula Moura Pinheiro trabalha na RTP2 há mais de 20 anos. Contudo, a sua paixão pelo canal, onde se sente “em casa”, começou muito antes, como revelou: “A partir dos 12 anos comecei a estar atenta ao cinema que passava na RTP2, que durante muitos anos foi a minha cinemateca doméstica. Aprendi imenso. Foi um canal que nunca teve muita audiência, mas que foi sempre uma espécie de referência, um farol que indicava o que era bom. Foi aqui que também percebi, com o maestro António Victorino d’Almeida, que a música clássica podia ser divertida. O primeiro programa que fiz para este canal foi o Falatório. Depois desse já se seguiram muitos. Aqui sinto-me em casa. Trabalhar na RTP2 é muito inspirador.”
A ministra da Cultura, Graça Fonseca, fez questão de vir a esta festa e de elogiar o papel que “a aniversariante” tem assumido na sociedade portuguesa: “Não celebramos apenas uma data, celebramos uma história singular, que teve sempre o mérito de se associar desde cedo às mais importantes figuras da cultura e da sociedade portuguesas. A programação da RTP2 é um espaço plural, capaz de criar projetos com a sociedade civil. O desenvolvimento humano é o fio condutor de uma aposta variada nas artes, na educação, na ciência e na informação.”

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras