Nas Bancas

_RCS1342.jpg

Ricardo Santos

Cláudia Vieira: “Esta época deixa-me com um sorriso permanente. adoro o Natal”

A atriz é a cara da campanha Brinquedos que Tocam o Coração e pretende mostrar que a solidariedade pode e deve fazer parte da vida de cada um.

Vanessa Bento
25 de dezembro de 2018, 15:03

O Natal sempre foi uma época repleta de magia para Cláudia Vieira. E a atriz faz questão de levar essa magia a quem, pelas mais variadas razões, foi perdendo algum brilho no olhar. Por isso mesmo, aceitou sem hesitar ser a madrinha da campanha de solidariedade Brinquedos que Tocam o Coração, desenvolvida pela Sonae Sierra e que está a decorrer em 20 centros comerciais por todo o país. E foi com o seu sorriso mais rasgado que a atriz falou com a CARAS sobre esta iniciativa e a forma mágica como faz questão de viver cada Natal, ao lado da filha, Maria, de oito anos, e da família.
– Esta é uma campanha que promete tocar os corações das crianças, mas também tocou o seu...
Cláudia Vieira – Tocou. [Risos.] A forma como esta campanha está desenvolvida é muito especial, porque faz com que cada criança receba exatamente o presente que deseja. As crianças de diversas instituições escrevem uma carta, onde indicam o que queriam muito receber, e nos shoppings que aderiram à campanha podemos, cada um de nós, e de acordo com o que podemos e queremos gastar, comprar esses presentes. No meio das prendas para a família e amigos, cada um pode acrescentar uma criança que está numa destas instituições e de certeza que vai sentir um calorzinho no coração. De alguma forma, estamos a fazer com que aquelas crianças também se sintam especiais e não recebam só o que sobra dos brinquedos que os outros já não querem.

– É importante usar a sua imagem enquanto figura pública para, de alguma forma, dar o exemplo?
– Já que tenho a possibilidade de chegar a mais pessoas, um dos objetivos da minha vida enquanto imagem pública é mostrar que o espírito solidário tem de entrar em ação. Não só nesta época, claro, mas nesta época, então, é fundamental, porque acho que há uma necessidade de partilhar amor, atenção e carinho de uma forma geral. Com os nossos, mas também com quem vive situações mais difíceis.

– Esta é uma quadra particularmente especial para si? Gosta desta magia, das luzes, das decorações...?
– É muito especial. A partir do momento em que ligam as luzes de Natal pela cidade, fico entusiasmadíssima, pareço uma criança, mexe mesmo com a minha felicidade. Claro que nesta altura há um lado mais consumista, mas que também faz parte da tradição. É tão bom dar e receber presentes... Esta época deixa-me com um sorriso permanente. Adoro o Natal, adoro tirar uma fotografia agarrada a um Pai Natal, que são aquelas coisas pirosas que nos fazem viver o Natal com um espírito de criança.

– Essa inocência é mantida muito por causa da Maria, que a leva a olhar para as coisas com esse brilho, ou parte muito de si?
– É algo mútuo, mas posso dizer que parte muito do espírito com que eu e a minha família gostamos de viver esta época. As crianças vivem sempre o Natal com entusiasmo, mas não é ela que puxa por mim a esse nível. O Natal é estarmos com os nossos e cuidarmos uns dos outros, rirmos juntos e partilharmos coisas, e cada vez mais, se calhar, é difícil as famílias juntarem-se. As pessoas estão muito fechadas nos seus ritmos de vida e nesta altura isso é quebrado.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1218 da revista CARAS.
Assinatura Digital

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras