Nas Bancas

Ive82.jpg

Paulo Miguel Martins

Ive, uma brasileira que adotou Portugal

“Hoje entendo melhor quem sou, estou mais confortável na minha pele”

Vanessa Bento
4 de novembro de 2018, 17:00

É de música que Ive se compõe desde que se conhece como gente. Aos cinco anos, o pai, que também é músico, reconheceu-lhe o talento e desde então Ive define-se como cantora. Embora tenha nascido e crescido no Brasil, é a Portugal que agora chama ‘casa’ e onde vive hoje uma fase repleta de paz e liberdade. Fase essa que já se percebe no seu mais recente trabalho, produzido por Nelson Motta e Liminha, e na música que tem feito por cá e a que nem Madonna ficou indiferente. Na verdade, depois de a ‘rainha da pop’ ter ouvido Ive numa casa de fados lisboeta, decidiu convidá-la para cantar em sua casa, em Nova Iorque, na noite de passagem de ano. E foi precisamente por esse encontro que começou esta conversa, que nos deu a conhecer esta cantora de sorriso quente que vive apaixonada por tudo o que a vida lhe dá.

– Há quem a defina como um pequeno nome para um grande talento. Foi esse talento que cativou Madonna?
Ive – Não sei. A situação com a Madonna foi completamente surreal e inesperada. Dois dias depois do nosso encontro ocasional naquela casa de fados, recebi um telefonema com um convite para ir à festa de fim de ano que ela ia fazer em Nova Iorque. Acho que ela se encantou com alguma coisa, não sei bem o quê.

– Quando sonhava ser cantora, alguma vez imaginou chegar o dia em que iria poder cantar para a Madonna?
– Nunca, mas sempre espero coisas boas da vida. Surpreendem-me, mas aceito-as com muita serenidade. Lisboa deu-me muita coisa boa, bonita, amigos maravilhosos. Tenho mesmo uma sensação de pertença vivendo aqui.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras