Nas Bancas

Michelle Bolsonaro: a nova primeira-dama do Brasil é recatada, ligada a Deus e firme com as filhas

A mulher de Jair Bolsonaro é muito ligada a causas sociais, sendo responsável pela presença constante de interpretes de língua gestual nos discursos do recém-eleito presidente.

CARAS
30 de outubro de 2018, 13:26

Discreta, muito ligada à Igreja, preocupada com causas sociais e de pulso firme com as filhas, assim a descrevem os mais próximos, poucos. Michelle de Paula, a nova primeira-dama do Brasil, conheceu o homem que agora lhe dá este título em Brasília. Ele era deputado federal e ela era secretária de um dos partidos adversários do de Jair Bolsonaro. Foi em 2007 que se viram pela primeira vez e seis meses mais tarde estavam casados pelo civil.

“Tudo começou quando nos vimos pela primeira vez, no gabinete do Jair. Não demorou muito para termos a certeza de que queríamos dividir uma vida a dois”, disse Michelle à revista brasileira Festejar Noivos. Jair já tinha sido casado duas vezes e Michelle também tinha tido um relacionamento anterior do qual trouxe para o seio da nova família uma filha que hoje tem 16 anos. O novo presidente do Brasil também já tinha três filhos, todos adultos e envolvidos na política brasileira.

Juntos tiveram mais uma filha, Laura de 7 anos, fruto de uma vitória pessoal de Michelle que conseguiu convencer Bolsonaro a reverter uma vasectomia que tinha feito uns anos antes.

Michelle Bolsonaro chegou ao Palácio do Planalto vinda de uma cidade muito próxima da capital brasileira, Ceilândia. Aqui nasceu com apelos à solidariedade vindos da mãe. “A minha mãe sempre nos ensinou que não devíamos negar água e comida para ninguém”, disse num vídeo de campanha eleitoral do marido, numa rara aparição em público. Sobre o pai ainda menos se sabe. A única referência a Paulo Reinaldo, que o Observador diz ter ligações a Portugal, é feita por Jair Bolsonaro, que usa uma alcunha pela qual o sogro é conhecido - “Paulo Negão” - para se defender de acusações de racismo.

“O meu sogro mora aqui em Ceilândia, é conhecido como Paulo Negão. Dele posso dizer que não gosto muito, com todo o respeito. Brincadeira! Ele é um amigo! E sou apaixonado pela filha dele”, disse o novo líder brasileiro.

Quando se casaram, em 2007 Michelle, ganhou um novo lugar em Brasília. Mantinha-se como secretária, mas agora era Jair Messias Bolsonaro o seu chefe. Diz o Observador que o ordenado da nova primeira-dama triplicou. Mas não se manteve muito tempo no lugar porque o Supremo Tribunal Federal lembrou ao casal que a Constituição Brasileira proíbe o nepotismo. Foi o momento ideal para Michelle se recatar no lar, dedicar-se a causas sociais e estreitar a sua ligação a Deus.

Desde que deixou os gabinetes da Esplanada dos Ministérios de Brasília, Michelle passou a ter mais tempo para educar as filhas e preparar o casamento religioso com Bolsonaro que aconteceria em 2013, no Rio de Janeiro. A cerimónia luxuosa juntou cerca de 150 convidados no dia 21 de março, no dia de aniversário de Jair e um dia antes do de Michelle e foi celebrada pelo pastor Silas Malafaia, uma figura importante na vida do casal Bolsonaro.

É Silas Malafaia que caracteriza Michelle no papel de mãe. À Globo diz que é severa. "Quando está no comando, brigando com as filhas, Bolsonaro nem se mete na discussão com medo”, revela Malafaia aos risos.

O pastor da Igreja Evangélica foi o fundador da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, na Barra da Tijuca, que Michelle frequentou durante anos. Mas acabou por a abandonar em 2017 numa altura em que Malafaia se afastou de Bolsonaro depois do novo presidente do Brasil lhe ter recusado ajuda num caso de corrupção em que o pastor se envolveu.

Na nova Igreja, a Igreja Batista da Atitude, Michelle começou a dedicar-se às causas sociais. Ficou muito próxima dos surdos porque, como disse numa intervenção durante a campanha ao lado de Bolsonaro, tem um tio com esta deficiência. É precisamente por causa desta ligação de Michelle que Jair sempre fez discursos com um intérprete de língua gestual ao lado.

Michelle Bolsonaro é a terceira mulher a fazer parte da vida de Jair, têm 27 anos de diferença - ele tem 63 e ela 36 - e não é fácil conseguir dados sobre a sua vida. Várias publicações brasileiras, incluindo a Globo, referem que os elementos da família e da Igreja estão proibidos de dar informações sobre a nova primeira-dama. Quanto ao seu papel no novo governo brasileiro, que tomará posse no início do próximo ano, deve ser focado nas causas sociais, uma vez mais com os surdos a receberem grande preocupação por parte de Michelle de Paula.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras