Nas Bancas

JLI_SunsetComporta-8311.jpg

João Lima

Diana Pereira: “Vi o Tiago no hospital e questionei se iria acabar tudo ali”

A modelo revelou como este último ano foi duro e como o conseguiram superar em família.

Vanessa Bento
27 de outubro de 2018, 15:07

Foi há um ano que a vida puxou o tapete a Diana Pereira, quando o marido, o piloto Tiago Monteiro, sofreu um grave acidente no Circuito da Catalunha. Segundo a própria, “o pior já passou”, e a prova disso é o sorriso quente com que encara a vida. Mas a verdade é que o último ano não foi fácil e as mazelas físicas e emocionais ainda estão a sarar. Apesar do medo de perder o marido, Diana nunca esgotou as forças e tem batalhado ao lado de Tiago pela felicidade que sempre construíram os dois e que ganhou nova dimensão com Mel, de dez anos, e Noah, de oito.
– Passam muito tempo a viajar. Isso dá-vos a certeza de que Portugal é o país certo para verem crescer os vossos filhos?
Diana Pereira – Sem dúvida. Portugal é o país ideal para viver, é um paraíso no mundo. E sinto muito mais isso enquanto mãe. Aqui temos uma qualidade de vida incrível... A educação é boa, a saúde também. A Mel passou agora para o 5.º ano e já acha que é uma adolescente. Hoje eles crescem mais depressa, a adolescência acontece mais cedo. Aos dez anos eu não pensava em coisas em que a Mel já pensa e com que se preocupa...
– Que desafios é que isso levanta?
– Temos de fazer tudo mais cedo, mas é muito giro. Eles agora estão numa fase muito diferente, são grandes companheiros. O Noah está a fazer o campeonato nacional de karts, o pai está na China, por isso o treinador fui eu o dia todo.
– Eles são muito diferentes?
– São. Até na comunicação connosco. O Noah é mais aberto e a Mel guarda mais para ela. Portanto, temos mesmo de estar presentes para perceber, se não passa-nos tudo ao lado.
– E qual é o segredo para um casamento tão feliz e duradouro?
– É verdade, já estamos juntos há 12 anos... Acho que o respeito e a amizade são fundamentais. Um casamento tem muitas fases. Há uma mudança de sentimentos constante e temos que nos adaptar às circunstâncias e tentar ser felizes nesses momentos da melhor maneira. Temos uma coisa muito boa nas nossas vidas, que são os nossos filhos, e nunca nos podemos esquecer disso. Serão sempre a nossa prioridade. Tenho uma admiração enorme pelo Tiago, tanto pessoal como profissional, e sinto o mesmo dele para comigo. E isso é muito importante enquanto casal, tal como é importante darmos espaço um ao outro. Ambos somos muito independentes, desde muito cedo. Se tivéssemos de estar dependentes um do outro enquanto casal, seria complicado. O facto de viajarmos cada um para o seu lado também tem as suas vantagens. [Risos.]
– E como está o Tiago depois daquele susto tão grande?
– Foi um susto muito grande, foi quase a vida dele a desaparecer totalmente. Depois de sobreviver, veio a recuperação, a dúvida se voltaria a correr... Fez um ano do acidente, está a recuperar lindamente, mas podia ter morrido, a verdade é essa. Os médicos disseram que com o estiramento ocular que teve nos dois olhos haveria dois por cento de hipóteses de sobreviver. E o facto de ter sobrevivido foi maravilhoso. Este ano a nossa vida foi uma loucura, muitos altos e baixos, mas superámos. Agora continua com muitas dores físicas, porque tem a ver com a cervical e a parte nervosa, mas à partida está tudo bem a nível muscular, visualmente um olho recuperou totalmente e o outro está quase a recuperar, porque a extensão ocular deixou-o completamente estrábico. Esse será o maior motivo do atraso no regresso à competição. Ele está louco por voltar... Se é uma decisão que já está tomada? Não, porque nem ele próprio sabe se irá estar pronto para o próximo ano. É uma recuperação muito lenta.
– E como é que têm gerido essa vontade juntamente com a incerteza?
– Psicologi-camente é muito complicado. Esta é a paixão do Tiago e ele viu-se totalmente limitado, 
embora já esteja a fazer outras coisas, porque é manager de imensos pilotos. Estamos a gerir um dia de cada vez. Para ele foi importante determinar algumas etapas e propor-se alcançá-las. Esta é a maneira de ele se motivar.
– Não sente medo ao pensar no regresso do Tiago à competição?
– O pior já passou... Foi difícil, porque, de repente, vejo o Tiago numa cama de hospital sem saber o que vai acontecer à nossa vida. Questionei se iria acabar tudo ali... Foi muita emoção, foram momentos muito complicados. Se ele decidir voltar, terá o meu apoio total, porque é a paixão dele. É a vida dele, e não posso ter qualquer tipo de responsabilidade na decisão que ele tomar, por mais que ele tenha sempre em conta a minha opinião. É uma coisa que ele tem de decidir sozinho.

fotos: João Lima

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras