Nas Bancas

PJF-raquel012.jpg

Paulo Jorge Figueiredo

Raquel Rocheta muito próxima da filha: “Unimo-nos mais nestes últimos meses”

Após um passeio de balão, a relações públicas falou da sua relação com Mariana, de 16 anos.

Andreia Cardinali
20 de outubro de 2018, 12:07

Raquel Rocheta, de 44 anos, e a filha Mariana, de 16, já passaram por muito juntas, em especial durante os cinco anos que Carlos Cruz, ex-marido da relações públicas e pai da estudante, esteve preso. Desde que este foi libertado, há dois anos, têm aprendido a viver de outra forma e a sentir que não precisam de contar apenas uma com a outra.
Com uma relação bastante cúmplice, as duas passaram um fim de semana em Coruche, a convite da CARAS e da SEAT.
– Continuam a fazer programas de mãe e filha, como este?
Raquel Rocheta – Nesta idade da Mariana já é muito difícil fazer atividades só de mãe e filha. Geralmente envolvem mais uma amiga da Mariana, como foi o caso. E é natural, quando eu tinha a idade dela também preferia estar com os meus amigos. Comigo ela gosta de estar quando precisa de desabafar, em especial as situações do dia a dia, os problemas com as amigas e os namorados.
– Mas isso é bom sinal, é sinal de muita cumplicidade...
– É verdade. Unimo-nos mais nestes últimos meses, por questões dela, sentimentais, pois já tem as suas paixonetas, e por situações mais conflituosas com amigas. Temos estado muito próximas.
– E como está a lidar com essa adolescência?
– Lembro-me muito bem como foi comigo e não sou daquelas mães que não querem que os filhos saibam o que fizeram e as experiências que tiveram. Sempre gostei de lhe contar as minhas coisas e entendo. Gosto que ela fale comigo, tento dar opiniões e minimizar os sentimentos que envolvem amargura e tristeza.
– Nota diferença na Mariana desde que o pai veio para casa?
– Já fez dois anos e noto-a muito mais tranquila. Era um peso constante que ela carregava, até porque duas vezes por semana ia visitar o pai à cadeia. Noto-a muito mais feliz e acho que o facto de o pai estar cá fora e termos todos uma ótima relação é muito importante para ela.
– Para si também será com certeza bom, porque de certa forma acaba por poder viver de uma forma mais tranquila, com mais liberdade...
– Ganhei uma nova vida desde que o Carlos saiu. Passei a ter bastante tempo para mim, a poder sair mais com amigos e a viajar. A fazer tudo aquilo que eu quis durante 12 anos e não conseguia.
E isso não lhe dá vontade de voltar a encontrar o amor?
– Dá, alguma, mas também me tornei uma pessoa que está habituada a estar sozinha, a ter o seu espaço... Sou um pouco egoísta, não tenho propriamente necessidade de ter alguém ao meu lado e tendo a Mariana ainda em casa, sinto que o espaço é só nosso. Depois, também tenho um grupo de amigos muito grande e acabo por sair muito e não ter a necessidade de procurar uma pessoa. Não é fácil encontrar uma pessoa que me preencha neste momento.
– Para terminar, como foi esta experiência de andarem juntas de balão de ar quente?
– Foi muito giro, era algo que eu queria fazer há anos e tê-lo feito com a Mariana foi maravilhoso. Adoro conhecer coisas novas e neste momento apetece-me imenso testar os meus limites. Estou numa fase em que me apetece fazer tudo aquilo que não fiz. Dou por mim a querer tudo o que são desportos radicais e a compensar o tempo perdido.
Fotos: Paulo Jorge Figueiredo Produção: Vanessa Marques

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras