Nas Bancas

PJF-sara002.jpg

Paulo Jorge Figueiredo

Sara Esteves Cardoso assume: “sou melhor mulher desde que sou mãe”

Aos 37 anos, a relações-públicas reconhece como a sua vida mudou desde que é mãe de Vicente, de cinco anos.

DR
7 de outubro de 2018, 10:27

Na vida de Sara Esteves Cardoso, de 37 anos, tudo parece fluir com a ligeireza de quem desvaloriza tudo o que não é realmente importante. E para a relações-públicas o mais importante é a família, em especial o marido, João Campos, e o filho de ambos, Vicente, de cinco anos, sem esquecer a irmã gémea, Tristana Esteves Cardoso, e o pai, o conhecido escritor e cronista Miguel Esteves Cardoso.
Cada vez mais completa no seu papel de mãe, Sara tem conseguido finalmente conjugar o seu lado profissional, de horários pouco rotineiros, com as exigências diárias de um filho pequeno, e isso permite-lhe aproveitar ao máximo todos os momentos que passa com Vicente, como aconteceu num fim de semana passado em Coruche, no Monte do Areeiro, a convite da CARAS e da SEAT.
– Percebe-se que tem uma relação muito próxima com o seu filho...
Sara Esteves Cardoso – Tenho, sim, e também de muita cumplicidade, desde sempre. Para além de ser meu filho, e sabendo que vou gostar sempre dele por isso, temos feitios compatíveis, o que são coisas muito diferentes. E ele está numa fase muito engraçada, é muito companheiro e já vai comigo para todo o lado, mesmo em trabalho, se for possível.
– Agrada-lhe ter também a possibilidade de lhe mostrar o seu meio profissional?
– Muito. Acho que é muito bom ele perceber o que faço, já que se pode tornar um pouco confuso, pois não tenho horários e não estou num escritório das nove às seis. É bom que ele perceba onde ando quando não estamos juntos e quando ele está na escola. Mas também é bom que eu tenha o meu espaço, e julgo que conseguimos fazer bastante bem esse equilíbrio.
– Consegue reservar tempo para si enquanto mulher?
– Acho que essa é a coisa mais difícil para uma mulher tentar fazer quando é mãe e trabalha afincadamente. Essa gestão e esse equilíbrio não são fáceis, porque muitas vezes a vida exige mais umas coisas do que outras, mas penso que com o tempo estou a conseguir. O primeiro ano foi difícil, mas depois tudo começou a fluir. A verdade é que sou melhor mãe quando sou mulher e também sou melhor mulher desde que sou mãe.
– Aparentemente, o Vicente é uma criança muito meiga...
– Sim, é um menino muito doce, muito de “pele”, é muito intenso. Sai a mim e ao João, que somos ambos assim. Se eu e o João somos de toque e de abraços, ele ainda é mais, ficou com esse gene de ambos. [Risos.]

Foros: Paulo Jorge Figueiredo

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1207 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras