Nas Bancas

DSC03681.jpg

Nuno Andrade - oito

Dino Gonçalves: “Na Madeira é tudo definitivo, é aqui que me reconheço”

“Atingi um nível de confiança e de amor próprio em que já não quero saber se as pessoas não gostam de mim.”

Vanessa Bento
15 de setembro de 2018, 11:00

Desde que saiu da sua Madeira natal para perseguir o seu sonho, Dino Gonçalves prometeu a si mesmo que voltaria sempre, todos os meses. E assim é. “Viajo muito, mas aqui é o único lugar onde consigo dormir bem. Aqui venho para a minha cama de sempre, para o meu quarto de criança, e consigo arrumar a cabeça”, confessou à CARAS.
Ao lado da irmã, Bebiana Gonçalves, o designer de interiores decidiu mostrar-nos, orgulhosamente, “uma Madeira mais plural, mais sofisticada”. “A Bebiana é, dos meus três irmãos, a mais parecida comigo. Somos muito cúmplices e sempre fomos muito amigos”, explicou, durante uma entrevista repleta de honestidade.
– Foi na Madeira que tudo começou. Em que medida é que vem buscar inspiração à sua ilha?
Dino Gonçalves – Toda esta ilha é uma inspiração. A Madeira tem casas e hotéis lindos, tem paisagens únicas, onde até os relevos e os calhaus me inspiram. Consigo inspirar-me numa casca do tronco de uma bananeira. Daí consigo criar um padrão, de um padrão consigo criar um tecido, de um tecido um papel de parede e a partir daí consigo fazer uma decoração.
– Regressar à Madeira é regressar a casa?
– Sem dúvida! Quando fui para Lisboa, tive sempre a noção de que a minha casa lá era provisória. Já na Madeira, sinto que é tudo definitivo, é aqui que me reconheço. E tenho o melhor dos dois mundos: vivo em Lisboa e consigo vir cá muitas vezes.
– Como é que crescer na Madeira influenciou a pessoa que é hoje?
– Quando eu era criança não havia internet e o que chegava aqui eram as revistas, que pedia à minha mãe para comprar. Ficava sequioso por ver as revistas de decoração e a !Hola!, e sempre disse que um dia ia fazer aquilo. E eu, que estava rodeado de mar, sabia que tinha que sair daqui para conseguir mostrar a minha criatividade. Se tivesse crescido em Lisboa e se tivesse tido acesso a mais coisas enquanto criança, tenho a certeza que não era o Dino que sou hoje. Sou fruto das minhas circunstâncias, cresci numa família ótima, os meus pais sempre me ensinaram a batalhar pelo que quero e foi sempre isso que fiz. Tenho sede de fazer mais e melhor, tenho sempre este bicho cá dentro... Mas às vezes também me canso de mim mesmo.
– A verdade é que o seu desejo concretizou-se e o Dino tem conquistado o mundo com as suas decorações. É um orgulho constatar que chega a tanta gente com o seu trabalho?
– O mais possível. Tudo isto é muito importante, mas quando viajo e me perguntam de onde sou, a reação das pessoas, quando sabem que venho de uma ilha, é engraçada. Acham-me muito sofisticado e pensam que sou da Arábia ou de Istambul, mas foi a simplicidade da ilha que fez isto.

Foto: Nuno Andrade

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1203 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras