Nas Bancas

dianachaves_51PJM.jpg

Diana Chaves: “o amor é melhor do que a paixão”

Serena e de bem com a vida, a atriz assume ser feliz junto de César Peixoto e da filha de ambos, Pilar.

Andreia Cardinali
8 de setembro de 2018, 10:10

Agradecida à vida por tudo o que lhe tem dado, a atriz e apresentadora Diana Chaves, de 37 anos, diz que não ambiciona mais nada. Além de um trabalho que a preenche, tem, acima de tudo, uma família que a faz feliz e que torna o regresso a casa – para perto do ex-futebolista César Peixoto, com quem partilha a sua vida há dez anos, e da filha que têm em comum, Pilar, de seis anos – o momento mais importante do seu dia.
Foi precisamente no final de um dia de trabalho intenso, passado a posar para a última campanha de verão da marca de sapatos Cubanas, que a apresentadora e atriz conversou com a CARAS sobre o seu novo projeto, a novela Vidas Opostas, mas também sobre a forma como encara o amor e vive o seu lado mais privado.
– Depois de umas férias, regressou ao trabalho em pleno, com as gravações da temporada de verão de 'Não Há Crise' e também da próxima novela da SIC...
Diana Chaves – É verdade. Fico sempre muito satisfeita quando consigo conciliar a apresentação com a representação. Divirto-me imenso a gravar o Não Há Crise, junto do João Paulo Sousa, e também tenho estado a adorar vestir o papel da Vera na novela. As gravações estão a correr muito bem e o horário é bastante equilibrado, o que dá para conjugar perfeitamente com a minha vida familiar. Está a ser muito bom.
– Entretanto, fotografou a campanha de verão da Cubanas, marca com a qual já trabalha há alguns anos. É uma parceria de sucesso?
– Sim, e neste tipo de parcerias acho que é fundamental acreditarmos no que estamos a fazer para que as coisas corram bem. Se fazemos uma campanha e não acreditamos no que estamos a fazer nem houver uma parceria genuína, as coisas acabam por não funcionar. Eu já era cliente da Cubanas e quando surgiu esta oportunidade foi perfeito, porque pude adaptar uma marca que adoro ao meu estilo e à minha imagem. Tenho muito orgulho nesta parceria.
– Os anos têm-na ajudado a perceber o que quer ou não para si?
– Claro. Os anos e a maturidade trazem-nos calma e segurança. À medida que vamos ficando mais velhos, tudo melhora. Faço tudo com mais calma, escolho bem o que quero, tenho dificuldade em fazer coisas com as quais não me identifico e também não tenho a pretensão de fazer tudo ao mesmo tempo. Cada vez acredito mais que as coisas devem ser feitas com calma, para poder dedicar-me da forma que acho importante.
– Essa característica manifesta-se na sua vida privada? Também gosta de viver tudo tranquilamente?
– Completamente. Aliás, a minha estabilidade profissional é quase um reflexo da minha estabilidade emocional. Mesmo que as coisas me corram bem a nível profissional, se não estiver bem em casa, não estou tranquila. Por isso a minha prioridade é sempre a família e a minha vida pessoal. Depois disso, tudo o resto flui.

Foto: Pedro Jorge Melo

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1169 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras