Nas Bancas

Maria Botelho Moniz fala sobre a morte trágica do namorado: "Ao fim de 10 anos de relação perdi o amor da minha vida"

A apresentadora de televisão emocionou-se ao recordar Salvador Quintela.

CARAS
3 de setembro de 2018, 17:46

Maria Botelho Moniz foi recentemente convidada para participar no Jogo da Roleta, uma rubrica do programa Queridas Manhãs, transmitido pela SIC, e falou abertamente sobre vários assuntos da sua vida pessoal e profissional entre os quais a perda irreparável do namorado, que faleceu aos 29 anos num acidente de mota em março de 2014. Depois de uma longa relação, ficaram noivos e com um sonho por realizar: o casamento a 20 de setembro desse mesmo ano.

"Para quem não sabe fiquei viúva sem ser casada com 29 anos. Ao fim de 10 anos de relação perdi o amor da minha vida", confessou aos telespectadores durante a conversa com Júlia Pinheiro e Cláudio Ramos.

Questionada sobre se já teve de sorrir sem vontade, afirma que o fez muitas vezes "completamente destruída por dentro" semanas após a trágica morte do namorado quando muitas das pessoas desconheciam o sucedido.

Sob o desejo dos colegas e amigos de que Maria reencontre o amor, a apresentadora garante estar quase pronta, "mas acho que ainda vai demorar um bocadinho. Estou apaixonada por aquilo que achava que seria a minha vida. A vida tem estas coisas de nos pregar rasteiras e dar muitas voltas".

Sorridente e confiante no futuro, reconhece que, apesar das vicissitudes, é uma pessoa grata "por aquilo que tenho e tenho de ter consciência que tenho muito mais do que muita gente".

Perante a pergunta de Cláudio Ramos sobre "qual das dores foi mais forte", se a perda do namorado ou a do pai, desaparecido em abril último, Maria Botelho Moniz considera que são dois tipos de sofrimento muito distintos. "São dores muito diferentes. Quando o meu pai morreu disseram-me 'Prepara-te que esta [dor] vai doer muito porque é de sangue' e doeu, de facto, muito. Mas eu acho que um filho ou uma filha perder um pai é sempre muito difícil, é sempre uma perda gigante. Assim inesperada é 'tirarem-te o tapete'. Mas tu cresces a saber que essa é a lei da vida (...), que irás enterrar os teus pais", explica.

Para a morte do namorado garante que não estava preparada. "Eu tinha 29 anos e ele também. É perderes a pessoa que achas que vai fazer o caminho ao teu lado, até seres velhinho. Acho que foi uma dor mais funda. [Com] o meu pai fica um buraco, um vazio que fica. O Salvador foi uma facada", conclui.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras