Nas Bancas

JLI_RicardoTrepa-0378.jpg

João Lima

Ricardo Trêpa sereno: “Encaro a vida com leveza, o que não significa que seja tudo fácil”

Em excelente forma física, o ator assegura que fazer exercício físico é essencial para o seu bem-estar. Ricardo faz “surf”, pratica boxe e, quando pode, também joga ténis.

Marta Mesquita
25 de agosto de 2018, 14:06

Ricardo Trêpa tem 45 anos, mas mantém o ar de rapaz rebelde e bem-disposto de sempre. Descontraído, o ator assume que encara a vida com leveza, nunca se deixando abater pelas dificuldades. O seu foco é sempre a solução, nunca o problema. Sem medo de errar, gosta de correr riscos e nunca diz não a um desafio. E foi por isso mesmo que aceitou integrar o elenco do musical Grease, que estreia em setembro no Salão Preto e Prata, no Casino Estoril. Apesar de falar com entusiasmo do seu percurso profissional, quando se trata da sua vida pessoal é mais reservado. Sem querer fazer grandes comentários sobre o seu namoro com Maria João Reino, o neto do realizador Manoel de Oliveira garante que com o passar dos anos tem pensado mais na possibilidade de construir a sua própria família.
Numa manhã passada na Praia Grande, em Sintra, Ricardo conversou com a CARAS e revelou-se o homem de convicções fortes que convive harmoniosamente com o surfista de sorriso fácil para quem é simples ser feliz.
– Em breve regressa aos palcos. Como está a encarar este desafio?
Ricardo Trêpa – Fazer teatro musical é um grande desafio, sem dúvida. Este espetáculo, Grease, é baseado no filme com o mesmo nome. Vou fazer o papel de um locutor de rádio bem-parecido e engatatão. Vamos atuar no Salão Preto e Prata, no Casino Estoril. É um espetáculo encenado pelo Paulo Sousa Costa, cujo trabalho aprecio bastante. Estou mesmo muito entusiasmado. Já tinha feito A Bela e o Monstro no Gelo e voltar aos palcos é sempre uma alegria.
– Mas está a aventurar-se num território completamente novo...
– É um território que não me é confortável, mas é assim que crescemos e aprendemos. Vamos começar a ensaiar e estou pronto para iniciar este trabalho. Sou um homem de desafios. Na vida, temos de nos desafiar constantemente.
– Sente que ainda tem muito para provar em cima dos palcos? Ou a sua carreira, que foi maioritariamente construída no cinema, fala por si?
– Fiz muito cinema graças ao meu avô. Não vejo o palco como um peso e sim como uma plataforma. No palco podemos experimentar outros processos criativos. O palco dá-nos um vazio, porque não há uma rede de segurança. No teatro não há o “corta”. E esse vazio é uma possibilidade infinita de criação. Para mim, isso é um estímulo, nunca uma angústia.
– O cinema do seu avô teve projeção a nível internacional. Alguma vez pensou em trabalhar lá fora?
– Se há 20 anos estivesse focado como estou hoje, talvez tivesse ido para fora. Mas hoje em dia o meu objetivo é trabalhar em Portugal. Adoro o nosso país e quero continuar a fazer o meu percurso na ficção nacional. Quero fazer mais televisão e teatro. Por enquanto, o cinema está mais parado, mas vamos ver o que o futuro me reserva.
– Aos 45 anos, ainda tem muitos sonhos por realizar?
– Estou numa fase de concretização, mas já tenho um longo caminho feito. Comecei no cinema e hoje faço televisão e teatro. Invisto muito em formação e sinto que isso tem sido essencial. Tive um trabalho de construção até aqui e agora quero conquistar o meu lugar na representação.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras