Nas Bancas

Benvindo Fonseca dança em homenagem à mãe no panteão nacional

Zaida morreu há cerca de dois meses.

Marta Mesquita
18 de agosto de 2018, 15:00

Há quase dois meses Benvindo Fonseca perdeu a mãe, Zaida. Para homenagear aquela que sempre o encorajou a dançar, o bailarino e coreógrafo interpretou Cromeleque – Requiem de Mozart no Panteão Nacional, que se revelou o local ideal para celebrar a vida e o amor.

“Este bailado já tinha sido feito no Museu dos Coches. Na altura, dediquei esse espetáculo aos meus pais. Quando perdi a minha mãe, pensei que esta seria uma bonita forma de a homenagear. Fiz algumas alterações e introduzi mais bailarinos. Poder dançar no Panteão Nacional é um privilégio e uma honra. O requiem é uma missa fúnebre, por isso este local é mais do que apropriado a esta performance. Com este bailado também quero homenagear o meu pai, a quem tenho agora de dar muita força”, explicou Benvindo depois de atuar ao lado do músico Carlos Mil-Homens e dos bailarinos Andreia Barros, Ricardo Henriques e Miguel Santos.


Com uma carreira de 35 anos, Benvindo revelou que está a fechar um ciclo, mostrando-se entusiasmado com o que se segue: “Está na hora de pôr outros a dançar. Agora vou coreografar um espetáculo na Alemanha.”

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras