Nas Bancas

Uma vida noutra vida: os 73 anos de Celeste Rodrigues 'ao serviço' do fado castiço

A fadista e irmã de Amália Rodrigues faleceu esta quarta-feira, 1 de agosto.

CARAS
1 de agosto de 2018, 12:47

Morreu esta quarta-feira, 1 de agosto, aos 95 anos de idade, Celeste Rodrigues, voz do fado castiço em Portugal e ao qual dedicou 73 anos da sua longa vida. A informação foi avançada nas redes sociais pelo neto da cantora, Diogo Varela Silva. "É com um enorme peso no coração, que vos dou a notícia da partida da minha Celestinha, da nossa Celeste. Hoje deixou uma vida plena do que quis e sonhou, amou muito e foi amada, mas acima de tudo, foi a pedra basilar da nossa família, da minha mãe, da minha tia, dos meus irmãos, sobrinhos e filhos, somos todos orgulhosamente fruto do ser humano extraordinário que ela foi. Que a sua humanidade, bondade e maneira de estar bem com a vida, seja um ensinamento, que nós possamos honrar pelas nossas vidas foras. Daremos mais informações assim que nos for possível", pode ler-se na mensagem.

Nasceu em Alpedrinha, no Fundão, a 14 de março de 1923 e foi o fado que a celebrizou. À semelhança da irmã, Amália, também Celeste cantava pelas ruas do Cais do Sodré, em Lisboa, quando estava encarregue de uma outra tarefa menos musical: a venda da fruta.

Apesar de ter seguido uma carreira distinta da irmã já que se especializou o fado castiço e a irmã optou pelo fado-canção, Celeste foi muitas vezes acompanhá-la aos serões da Adega Mesquita, não apenas para ouvi-la, mas também para escutar outras vozes do seu agrado, tais como Maria Teresa de Noronha e Lucília do Carmo.

Foi nessa altura que o empresário José Miguel a desafiou a profissionalizar esse seu gosto por aquela forma de cantar. Em 1945 estreou-se no Casablanco, no Parque Mayer, tendo a irmã como madrinha.

Um mês depois foi contratada pelo Pasapoga Music Hall, em Madrid, seguindo-se uma mudança para o Brasil com uma companhia teatral com a qual parte em digressão. Integrou o elenco de Rosa Cantandeira e não mais voltou a aceitar convites para peças de teatro. Quando voltou a Lisboa atuou em várias casas de fado lisboeta, entre as quais Café Latino, Marialvas, Urca, Café Luso e Adega Mesquita, entre tantas outras. Regressou a terras de Vera Cruz onde atuou na rádio, na televisão e no restaurante Fado de um outro português, Tony de Matos.

Casou aos 30 anos com o ator Varela Silva com quem teve durante poucos anos uma casa de fados. Apesar da sua conhecida timidez, Celeste Rodrigues foi das primeiras artistas a atuar no período experimental da RTP. Celebrizou temas como A lenda das algas, O meu xaile e o mítico Fado Celeste. Olha a mala foi um dos seus maiores êxitos de vendas já na década de 1960. Encontrou no Canadá um lugar para viver depois do 25 de abril de 1974 e lá se divorciou de Varela Silva.

O regresso a Portugal foi também sinónimo de regresso às casas de fado onde se popularizou e onde nunca deixou de atuar. O neto e realizador Diogo Varela Silva produziu em 2010 um documentário intitulado Fado Celeste onde conta a história de vida da fadista. Recebeu em 2012 pelas mãos de Aníbal Cavaco Silva, então Presidente da República, o grau de Comendadora da Ordem do Infante D. Henrique.

Para a memória dos que apreciavam a sua voz ficam as palavras presentes em Fado Celeste: “Olho outra vez a cidade/ Mas quando o vento me invade/ e a solidão me agarra/ fecho de vez a janela/ peço à saudade, cautela/ e abraço uma guitarra.”

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras