Nas Bancas

André-Costa-16-3-18-LC200.jpg

Luís Coelho

André Costa: “As amizades que faço são o mais importante do meu trabalho”

O manequim, de 28 anos, conta como começou a sua aventura no mundo da moda, há quatro anos.

Joana Carreira
22 de julho de 2018, 11:01

André Costa, manequim, 28 anos. Nasceu em Bragança e aos 11 anos mudou-se para o Algarve, devido à profissão da mãe, que é professora. Deu aulas de Educação Física, foi instrutor de ginásio e a certa altura decidiu aceitar o desafio de uma aluna e experimentar a carreira de modelo. Gostou e aventurou-se nesta indústria. “Com 23, 24 anos, investi a sério nesta carreira e fui viajar, tirar fotos com fotógrafos profissionais”, revela.
É modelo profissional há quatro anos. Já desfilou para grandes criadores, como Giorgio Armani e Dolce & Gabbana, e protagonizou editoriais de moda em prestigiadas revistas, mas o boom da sua curta mas intensa carreira veio após a participação nos videoclipes de Jennifer Lopez, Ricky Martin e Paulina Rubio.
Foi sobre a vida entre Portugal e o estrangeiro e as ambições e sonhos que tem como modelo que conversámos num fim de tarde descontraído.
– Fazer carreira na moda não estava nos seus planos...
André Costa – É verdade. Quando era pequeno, queria ser cientista, mas na adolescência mudei de ideias, porque achei que seria algo rotineiro e monótono. Fui para a área de desporto para ter mais adrenalina e menos rotina. Nunca idealizei nada específico. Estou contente em relação ao ponto onde a minha carreira me levou até agora, mas ainda tenho mais passos para dar.
– Quando é que percebeu que esta seria uma profissão a explorar?
– Uma das minhas alunas desafiou-me a tentar a sorte. No início era só uma brincadeira, mas depois o bichinho da moda cresceu. A curiosidade foi progredindo e tornei-me modelo profissional.
– Onde começou?
– Na Turquia. As portas abriram-se muito mais rapidamente. Pela experiência de outros modelos, percebi que seria o melhor sítio, porque havia muitos castings. Depois de ter feito as fotografias, fui descoberto por agentes norte-americanos e mais tarde pela minha agência atual, a Wilhelmina Models.
– É, portanto, uma pessoa que gosta de mudanças.
– Adapto-me bem, mas também tenho um lado nerd. Ultimamente tenho dedicado algum tempo a estudar programação. Ninguém iria associar isto ao meu trabalho, até porque não é um casamento ideal.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1195 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras