Nas Bancas

Belinha32.jpg

Paulo Miguel Martins

Isabel Silva: “As melhores decisões que tomo são movidas pela emoção”

A apresentadora, de 32 anos, diz que este foi um ano de mudanças, um ponto de viragem concretizado com serenidade.

Vanessa Bento
20 de julho de 2018, 09:51

Se a vida fosse uma prova de desporto, a de Isabel Silva seria uma maratona. É na corrida que se centra, mas é nas longas distâncias que se encontra. E o mesmo acontece na sua vida. Aos 32 anos, a apresentadora da TVI sabe perfeitamente que tudo tem o seu tempo, pelo que não apressa o que não tem que ser. Certa dos seus passos e da forma como os dá, é com um orgulho evidente que fala do caminho que tem percorrido enquanto comunicadora e embaixadora de um estilo de vida saudável. Movida pelos afetos, corre sempre ao ritmo do bater do coração e é precisamente por isso que este se tem revelado um ano de mudanças e de apostas pessoais. Mudou de agência, correu a Maratona de Boston em abril, aventurou-se na rádio, com o seu programa Minuto do Bem, nas manhãs da Comercial, e é hoje uma mulher mais madura e, sobretudo, mais forte. “As maratonas vieram consolidar a pessoa que sou e ajudar-me a perceber que, de facto, só não fazemos o que não queremos. Quando corto a meta, sinto que sou uma supermulher, que sou a pessoa mais incrível do mundo, a mulher mais bonita entre toda a gente e que ninguém consegue ser mais feliz do que eu”, confessou Belinha, como é carinhosamente tratada, durante uma manhã onde nos falou de felicidade.
– Quando entramos no seu Instagram, podemos ler “apresentadora de TV, blogger, maratonista, comida do bem, mãe do Caju”. O que é que falta acrescentar a esta lista?
Isabel Silva – Para já, nada. Só se fosse entusiasta pela vida, porque é isso que me caracteriza. Sou movida pelo entusiasmo e é esse entusiasmo que me leva a conseguir fazer as coisas bem feitas. Vivo numa luta saudável e constante por perceber o que me equilibra e entusiasma. E o que é que me entusiasma? Comunicar, por isso é que sou apresentadora de televisão, e isto passa por eu comunicar com os outros e os outros comunicarem comigo, porque a vida é uma partilha e escutar é muito importante. Sobre as maratonas, sou profundamente apaixonada pela corrida, principalmente quando é feita ao ar livre. Há um espírito de camaradagem incrível, e há, claro, a questão da superação... A vida começa quando saímos da nossa zona de conforto. E também gosto muito da corrida pela partilha dos afetos, portanto o que me move é esse amor que depois também espelho no [meu cão] Caju. O Caju é o meu filho, com ele sinto que tenho que proteger alguém e isso também me faz sair da minha zona de conforto. Portanto, neste momento não me falta nada, mas quero acreditar que todos os dias irei acrescentando novos prazeres e conquistas na minha vida.
– De facto, uma pessoa não se esgota numa só área...
– Claro! Só temos de parar para escutar o nosso corpo. No meu caso, o que noto é que há sempre um ponto comum: é a vitalidade, a energia, a comunicação. Gosto de comunicar. Todos os dias penso em quem sou, em quem quero ser, o que correu bem hoje, o que pode correr melhor e, se correu bem, elogiar-me. Praticar o elogio é muito importante, comigo e com os outros.
– Essa postura faz parte de um caminho. O que tem descoberto sobre si ao percorrê-lo?
– Que me movo pela energia e pelas emoções. As melhores decisões que tomo na vida são movidas pela emoção. O que o coração me diz é sempre aquilo que está certo. Portanto, primeiro escuto a emoção e depois a razão, para poder fazer as coisas de forma ponderada. Tenho os pés bem assentes na terra e não gosto de dar passos maiores do que a perna, mas sempre que me deixei guiar pela razão arrependi-me. Estou numa fase em que tive de tomar várias decisões, mas todas foram ponderadas e tomadas tendo em conta aquilo que o meu coração me dizia há muito tempo. Sou muito espontânea, mas com a idade tenho aprendido a gerir melhor o meu entusiasmo e expectativas. O ponto de viragem na minha vida de forma consciente e coerente está a ser agora, aos 32. Estou a fazer jus a duas coisas que valorizo muito: a coerência e a consistência. Nem sempre é fácil manter estas características, sou posta à prova muitas vezes, mas se tiver de parar para refletir, se tiver de abdicar para manter estes dois pontos, faço-o. Só eu sei quem sou e o caminho que quero seguir e tudo o que faço na minha vida tem de ter um sentido. Eu sou a rapariga dos porquês.
– Este ponto de viragem encaminha-a para a paz e o equilíbrio de que precisa?
– Sim. Está a ser um ponto de viragem muito sereno. Causou-me alguma agitação, porque saí da minha zona de conforto, e a verdade é que mudar dói. E tudo isto é um teste à nossa resiliência. Mas sou muito certa das mudanças que levo a cabo na minha vida. Sinto que irão ser determinantes no meu futuro pessoal e profissional.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1195 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras