Nas Bancas

_JNS0756.jpg

Joaquim Norte Sousa

Susana Cunha Guimarães a poucos dias de ser mãe de novo: “Estou muito feliz”

A jornalista e pivô do Porto Canal foi fotografada para a CARAS

Joana Brandão
15 de julho de 2018, 12:04

A completar os nove meses de gestação, a jornalista e pivô do Porto Canal partilhou com a CARAS a felicidade que tem sido a espera do seu segundo filho, que vai chamar-se Pedro, como o pai, Pedro Sotto Mayor. Na companhia do filho mais velho, Santiago, de nove anos, – nascido de um relacionamento anterior – Susana Cunha Guimarães, de 38 anos, contou como tem vivido a gravidez, desmistificando a ideia de que é tudo maravilhoso. A ausência do marido, que trabalha em Angola como diretor financeiro do grupo de hipermercados Candando, fragilizou-a emocionalmente e, fisicamente, passou por algumas fases complicadas.
Portista ferrenha, trabalha há 12 anos no Porto Canal e desde outubro apresenta o Universo Porto.
– Tem o parto previsto para estes dias. Como foi a gravidez?
Susana Cunha Guimarães – Muito difícil, longe de qualquer estado de graça. Sou a primeira a dizer que ter filhos é a melhor coisa do mundo, mas a gestação é muito complicada. Fisicamente, passei mal a maior parte do tempo e, emocionalmente, a ausência do Pedro também não ajudou. Mas tentei manter sempre a normalidade. Na alimentação não me privei de nada, quando os enjoos não me impediam de comer, mimei-me com massagens de drenagem linfática na Chi Clinic e o meu PT, do Treino no Parque, adaptou os exercícios à gravidez e tudo correu bem. Talvez por tudo isto só tenha engordado sete quilos nestes nove meses.
– Como é que o Santiago reagiu à gravidez? A relação dele com o Pedro é boa?
– O meu filho e o Pedro dão-se muito bem, mesmo. O Santiago tem uma relação ótima com o pai, mas também com o Pedro, embora cada um tenha o seu lugar na vida dele. Para o Pedro, o Santiago é como um filho, ele tinha três anos quando começámos a namorar. Agora, em relação ao irmão, é possível que haja algum ciúme, ele tem andado mimalho e mais agarrado a mim do que o habitual, mas é um miúdo espetacular.
– Casaram-se em setembro, mas a vossa história começou há cinco anos. Conte-nos como se conheceram.
– Foi o FCP que nos juntou. Na altura, o Pedro trabalhava em Lisboa, mas ia sempre aos jogos, como eu, e foi o “portismo” dele que nos aproximou. Foi um feliz acaso, e ainda bem que aconteceu. Entretanto, um ano depois ele foi convidado para vir trabalhar para a Sonae e começámos a viver juntos. Mas há três anos fizeram-lhe uma proposta irrecusável para ir para Angola e eu fui a primeira a apoiá-lo. Só não fui com ele por causa do Santiago, mas dei-lhe toda a força, porque era um desafio muito interessante. Agora chegou a hora de ele voltar. A ideia era ele ir por três anos e o tempo está a chegar ao fim.


fotos: Joaquim Norte de Sousa 
Produção: Joana Figueiredo 
cabelos e maquilhagem: Lucília Lara

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1194 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras