Nas Bancas

Filipe e Joana Albuquerque com a filha, Carolina

Filipe e Joana Albuquerque com a filha, Carolina

Luís Coelho

Filipe e Joana Albuquerque: “Nunca quisemos ter só um filho”

O piloto e a mulher vão ser pais pela segunda vez em agosto, de mais uma menina, Maria.

Andreia Cardinali
14 de julho de 2018, 12:05

Filipe Albuquerque, de 33 anos, e a mulher, Joana, de 34, sempre desejaram uma família grande. Por isso, assim que nasceu Carolina, hoje com dois anos e meio, já sabiam que queriam mais filhos e, se possível, com pouca diferença de idades. E quando Joana soube que estava novamente grávida, a notícia foi recebida com muita emoção, mais ainda porque aconteceu numa altura em que o piloto tinha acabado de se sagrar campeão em Daytona, no início deste ano. Hoje, e apesar da última competição em que participou, a prova 24 Horas de Le Mans, não lhe ter corrido de feição, continua a viver dias felizes em família e a aguardar com serenidade a chegada de Maria, prevista para o final de agosto.
− A Maria vai ter uma diferença de idade pequena para a Carolina...
Filipe Albuquerque − É verdade. Nunca quisemos ter só um filho e a Carolina também tem um lado maternal tão vincado e é tão boa menina que achámos que estava na altura. Depois, nenhum de nós os dois é filho único e sabemos como é bom crescer com companhia. Era um plano para 20018, mas não para o primeiro dia do primeiro mês do ano, que foi quando soubemos. Estávamos nos Estados Unidos e foi lá que soubemos, foi espetacular.
Joana Albuquerque − Acho que foi essa novidade que fez com que o Filipe fosse mais rápido em Daytona! [Risos]
− Filipe, foi realmente um começo de ano em grande, com a Joana grávida e a consagração em Daytona...
Filipe − Foi um mês maravilhoso. Ganhar no fim de janeiro a corrida de Daytona foi ouro sobre azul, mas claro que a notícia de ser pai outra vez foi o melhor de tudo. Para mim, a família é mais importante do que o lado profissional, mas é claro que vencer aquele prémio me deu uma grande alegria, porque já andava em busca dele há algum tempo.
− Em contrapartida, agora as 24 horas de Le Mans não correram lá muito bem...
− Fico sempre triste e pensativo quando uma corrida me corre mal e Le Mans é sempre mais especial, porque já há algum tempo que estou perto de alcançar o pódio. Este ano correu mal, não por minha culpa, e fico sempre a pensar porquê… Mas depois penso que tenho uma família linda e que vai crescer ainda mais e isso faz-me ultrapassar muito melhor qualquer deceção.
− Os resultados do Filipe são vividos em família, já que a Joana o acompanha para todo o lado. Teve de abdicar da sua carreira para isso?
Joana − No início ainda tentei continuar a trabalhar, mas também sou uma pessoa muito ambiciosa e dei por mim numa fase muito frustrada, porque de facto não conseguia fazer tudo a 100% como gostava. Então, decidi assumir acima de tudo um compromisso familiar. Despi um pouco o preconceito de fazer essa aposta e acho que a partir do momento em que o fiz estamos mais felizes.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1194 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras