Nas Bancas

Fátima Lopes.png

“A cor da minha pele era um obstáculo”, confessa Fátima Lopes

A apresentadora lembra memórias da juventude.

CARAS
3 de julho de 2018, 15:25

Fátima Lopes tem aproveitado muito o seu tempo fora dos ecrãs para escrever no seu blogue, Simply Flow. Num texto escrito esta segunda-feira, 2 de julho, a apresentadora recorda uma memória que lhe é cara: a sua infância e juventude passadas em Moçambique.
Naquilo que poderia ser uma ode à amizade, Fátima Lopes lembra, contudo, um momento duro desses tempos: o da diferença. “Foi fácil criar laços fortes com a garotada do bairro. O mesmo não aconteceu na escola, onde a cor da minha pele era um obstáculo. Lembro-me de não ter ninguém da minha turma para brincar no recreio, porque era branca. Depois de confessar à minha mãe a tristeza que sentia pela inexistência de amigos, ela pôs-se a caminho e conversou com o professor. Um homem notável que explicou às crianças o que havia a explicar. A partir daí fui aceite e foi na escola que aprendi as particularidades da cultura moçambicana”, lembra.
Visivelmente ultrapassado esse primeiro obstáculo, Fátima mantém presente a imagem de Maninha “um verdadeiro exemplo para mim. Super inteligente, com uma facilidade de aprender incrível, um sorriso contagioso e uma fibra única. Apesar de franzina, ninguém fazia farinha com ela. Virava a boneca com injustiças ou com gente gozona. Ficou-me registado e passei a fazer o mesmo”.
Regressada a Portugal, a apresentadora afirma que estas amizades também vieram consigo e faz um balanço positivo na atualidade. “Graças a Deus tenho amigos que se mantém há décadas na minha vida. Muito porque nos aceitamos e gostamos uns dos outros como somos”, conclui.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras