Nas Bancas

JLI_CristinaBranco-1570.jpg

João Lima

Cristina Branco: "Sou mais rebelde hoje do que quando era mais jovem"

“Branco” é o novo disco da cantora, um trabalho que reflete uma mulher mais autêntica e segura das suas escolhas.

Marta Mesquita
23 de junho de 2018, 10:00

Aos 45 anos, Cristina Branco tem uma voz própria, seja em palco ou na vida de todos os dias. E é esta mulher, que se sente bem na sua pele e não tem medo de errar, que canta no seu mais recente disco, Branco. Neste espectro de novas sonoridades, a cantora mostra que, apesar de manter a essência do fado, a sua identidade musical é muito mais colorida, não se esgotando em géneros ou rótulos.
De concerto em concerto, Cristina passa grande parte do seu tempo a viajar. Contudo, entre tanto ir e vir, a cantora sabe que tem sempre o marido, o escritor Tiago Salazar, e os filhos, Martim, de 14 anos, e Margarida, de nove, à sua espera no sítio a que chama casa, como partilhou com a CARAS numa conversa intimista.


– O que significa este Branco?
Cristina Branco – O branco é a junção de todas as cores do espectro. Também representa o conciliar de várias linguagens musicais. Tudo cabe dentro deste Branco. Queria um disco aglutinador de tudo aquilo que sou, até porque também é o meu nome


– E que Cristina se pode ouvir neste disco?
– Talvez a Cristina mais transparente de todas. Não seria justo dizer que é aquela com a qual mais me identifico, porque todos os trabalhos são circunstanciais e refletem-nos naquele momento. Mas este é, efetivamente, o disco onde me sinto mais livre. Fiz aquilo que quis e da forma mais espontânea possível.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1192 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras