Nas Bancas

JLI_CarlaMatadinho-1360.jpg

João Lima

Carla Matadinho: “sinto-me uma mulher muito feliz por ter podido ser mãe”

Na companhia dos filhos, Letícia e Sebastião, a empresária conta como vive o Dia da Mãe.

Andreia Cardinali
31 de maio de 2018, 10:29

A vida de Carla Matadinho nem sempre foi fácil, em especial na infância e adolescência. Ainda assim, a empresária e ex-modelo sempre sonhou com uma família, desejo que aumentou assim que começou a namorar com Paulo Sousa Costa, há dez anos. Dois anos depois, o produtor perdeu o filho Paulinho, na altura com sete anos, e a vida de ambos nunca mais foi a mesma. Hoje, a dor permanece, mas a vida avançou, juntamente com os dois filhos, Letícia, de quase seis anos, e Sebastião, de um ano e meio.
O Dia da Mãe, data que Carla vive com intensidade, foi o pretexto para esta conversa, que, apesar de não ser só sobre a felicidade, é de muito amor.
– Acredito, por todo o seu percurso, que o Dia da Mãe tenha um significado especial...
Carla Matadinho – Sinto-me muito feliz em dias como este. Sinto-me uma mulher muito feliz e completa por ter podido ser mãe, pois, infelizmente, nem todas as mulheres o conseguem. Emocionalmente falando, ser mãe tem um significado muito grande para mim, por tudo aquilo que construí. O Paulo também incentiva muito os miúdos neste dia a darem-me os parabéns... Eu dou muito valor à família, que para mim é das coisas mais importantes que temos na vida. Infelizmente, eu não sou fruto de uma família tradicional, fui criada às três pancadas, perdi o meu pai muito cedo, a minha mãe tinha imensos problemas e eu fui buscar as minhas referências de família a algumas pessoas que cuidaram de mim e depois ao Paulo e ao Paulinho. Eles foram a minha primeira família, tinha neles um exemplo, e foi o Paulinho que puxou pelo meu lado maternal. Talvez seja antiquado, mas eu adoro ser mãe e penso muito no futuro da minha família, esperando sempre que tudo corra bem. Sonho como serão os meus filhos já crescidos, os filhos deles... Gosto muito de pensar assim e só peço que tudo corra bem para que um dia mais tarde consiga ser uma avó em pleno, já que também nunca tive isso.
– O facto de vir de uma família desestruturada faz com certeza com que dê maior valor a tudo o que alcançou.
– Certamente que sim, porque sei o que é não ter. Às vezes, as famílias que têm tudo apontam outras coisas ou as relações não são muito positivas. Lembro-me bem de não ter pai no Dia do Pai e de o Dia da Mãe ser algo muito estranho... Os meus amigos tinham uma estrutura familiar e eu não tinha, mas nunca me vitimizei por isso.
– E então como é que vive o Dia da Mãe?
– Eles vão sempre acordar-me e dão-me os parabéns e muitos beijinhos e depois vou para a escola da minha filha, onde organizam um lanche para comemorar o dia, altura em que ela me surpreende com as coisas que fez para mim. É um dia que tentamos que seja muito nosso.
– Quando fala no futuro da família, em especial dos seus filhos, faz sempre a ressalva ‘se tudo correr bem’. Foi a vida que a fez pensar assim?
– Sim. Sou uma pessoa muito positiva, e se assim não fosse tinha sido muito complicado, mas quando se perde alguém tão cedo, como foi o caso do Paulinho, ganhamos outra consciência. Só pedimos que não volte a acontecer e temos um medo horrível. Só peço que tenhamos sorte e que eles cresçam fortes e saudáveis e nós possamos ver toda a evolução que um pai quer para um filho.
– Como é que consegue contrariar esse medo, esses pensamentos?
– Logo no início, quando a Letícia nasceu, foi um processo muito delicado em relação ao futuro, mas tento viver um dia de cada vez e não deixar que nada condicione o hoje. O mais importante é o presente, com eles. O presente que depois se irá refletir no nosso futuro. Tento pensar sempre nisso. Acho que receios qualquer pai tem, mas nós temos um antecedente...

Fotos: João Lima

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1187 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras