Nas Bancas

Barbara61.jpg

Paulo Miguel Martins

Bárbara Lourenço: “estou ansiosa por chegar aos 30”

Com 25 anos, a atriz de ‘Rainha das Flores’ acredita que os 30 lhe trarão muitas coisas boas.

Andreia Cardinali
31 de maio de 2018, 09:25

Sem maquilhagem, de jeans, camisola larga, ténis e cabelo amarrado, Bárbara Lourenço, de 25 anos, facilmente passaria despercebida aos olhares mais desatentos. Rosto de várias campanhas e embaixadora de algumas marcas, entre elas a Tous, a atriz não vive obcecada com a imagem – embora entenda a sua importância, em especial pela sua profissão –, por isso no dia a dia opta sempre por peças descontraídas. “Às vezes vou de fato de treino ao supermercado”, assume, divertida.
Depois de no ano passado ter terminado o namoro de dois anos e meio com Rui Pereira, a atriz de Rainha das Flores parece ter encontrado novamente o amor e estará a viver um romance à distância com um jovem que trabalha no ramo da hotelaria, em Londres. Um assunto que Bárbara preferiu não comentar, mas também não desmentiu.
– Este último ano tem sido muito proveitoso a nível profissional...
Bárbara Lourenço – É verdade. Além da novela, tenho feito ainda algumas campanhas e tem sido muito giro. São sempre dias bem passados e que me sabem muito bem, por ter a possibilidade de também trabalhar fora do estúdio.
– E agora tem uma parceria com a Tous. É uma ajuda, quando se trata de escolher acessórios?
– É uma grande ajuda, sim, porque sei sempre onde recorrer.
– Quando escolhe peças, o que privilegia?
– Sou uma pessoa de fases. Neste momento estou obcecada por colares e argolas. Gosto de peças simples, como fios finos com pendentes, e de misturar vários na mesma altura. Também adoro malas.
– Como lida com o facto de ter a sua imagem exposta em cartazes de publicidade?
– Sou muito crítica e picuinhas, mas, quando as coisas ficam bem feitas e gosto do resultado, não há nada que me impeça de apreciar e gostar. Quando os outros gostam, também para mim é maravilhoso.
– Falta um mês para as gravações da novela acabarem. Já está a precisar de uma pausa?
– Confesso que sim, estou a precisar de descansar um pouco, mas sei que mais próximo do fim irei ficar com pena de ver o projeto acabar. Passamos muito tempo todos juntos e de repente parece que nos cortam o cordão umbilical, e custa um bocadinho.
– A sua personagem tem uma carga emocional dramática. Consegue desligar quando entra em casa?
– Tem de ser, caso contrário não aguentava. São muitas horas e o ambiente que se vive na história da novela é muito pesado. Não consigo ver filmes dramáticos, começo logo a chorar. [Risos.] Passo o tempo a ver comédias... Rodeio-me das pessoas de quem gosto e tento relaxar um bocadinho, descansar, dormir.

Foto: Paulo Miguel Martins

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1187da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras