Nas Bancas

JNS-APA-10.jpg

Joaquim Norte Sousa

Ana Peixoto Almeida: a família é a fonte de inspiração desta empreendedora

A empresária conta como há cinco anos arriscou criar uma marca própria ao mesmo tempo que se tornou mãe.

Joana Brandão
20 de maio de 2018, 15:29

O nascimento da primeira filha e uma oportunidade familiar levaram Ana Peixoto Almeida a arriscar na criação de uma marca de roupa para criança. O que começou por ser uma experiência rapidamente se tornou um negócio, embora nunca tenha perdido o cunho familiar. Com o apoio e a parceria do companheiro, Bernardo Lago Cruz, Ana criou a Grace Baby&Child, uma marca que junta roupa para criança e roupa de casa, que se distinguem pela simplicidade romântica, funcionalidade e atenção ao detalhe.
As filhas de ambos, Cons­tança, de cinco anos, e Camila, de três, são a inspiração diária de que precisam para desenvolver esta marca com um conceito e uma identidade muito próprios. Cinco anos depois da primeira coleção, à venda exclusivamente online, a insígnia vai ter o seu primeiro espaço físico, no centro de Braga, de onde Ana e Bernardo são naturais. A internacionalização é outra das prioridades do casal, que conta com o apoio da família nesta aventura.
– Em cinco anos a vossa marca cresceu imenso. Como surgiu a ideia de criar uma marca de roupa para criança?
Ana Peixoto Almeida – Foi em 2013, durante a licença de maternidade da Constança. Na altura chamava-se Ma Petite Princesse e foi algo que desenvolvi em paralelo ao meu trabalho na Sonae. Digamos que foi o resultado do tempo vivido entre mãe e filha nos primeiros meses, enquanto trabalhava em casa. Só quando engravidei da Camila é que tomei a decisão de me dedicar a 100 por cento à marca. Nessa altura deixei a Sonae e mudei o nome para Grace Baby&Child, por causa da internacionalização.
– A Ana tem formação em marketing e comunicação. Havia alguma ligação à área têxtil e ao design?
– Toda a minha formação e experiência profissional vêm da comunicação e do marketing. Estudei na Universidade Nova de Lisboa e durante 12 anos fiz carreira em publicidade. Trabalhei em duas operadoras de telecomunicações. A minha primeira incursão na área da moda foi numa marca de roupa, mas sempre na área da publicidade. No entanto, a minha ligação ao têxtil é familiar, e senti que estava na hora de reescrever a minha história. Eu nasci no meio do têxtil, o meu avô materno tinha uma confeção de senhora em Barcelos, uma empresa grande onde o meu pai trabalhou imenso tempo. A minha mãe teve, durante 15 anos, uma loja de roupa de criança, onde eu trabalhei enquanto estudava. Ou seja, na confeção ou no retalho, o têxtil sempre esteve no nosso ADN, por isso acho que era inevitável eu chegar aqui.

Fotos: Joaquim Norte de Sousa

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1167 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras