Nas Bancas

JLI_IvaDomingues-9764.jpg

João Lima

Iva Domingues e a vida nos Estados Unidos: Os primeiros meses foram muito difíceis"

A apresentadora vive há oito meses nos Estados Unidos, onde a filha estuda realização e guionismo.

Vanessa Bento
12 de maio de 2018, 11:02

Iva Domingues cedo aprendeu que não vale a pena fazer grandes planos, porque a vida encarrega-se de os alterar e de mostrar novos caminhos. E no ano passado voltou a ter mais uma prova disso. Um mês antes de celebrar 41 anos, a apresentadora deixou as certezas de uma vida estável em Portugal para abraçar, de mãos dadas com a filha, Carolina, de 15 anos, um novo começo, guiado pelo sonho desta de se tornar realizadora. Apostada em ajudar a filha na concretização desse sonho, Iva vive há oito meses em Santa Monica, Los Angeles, onde também ela deu início a uma nova etapa da sua vida, tanto profissio­nal como pessoal. E foi na sua última passagem por Portugal, onde esteve a fazer o programa A Tarde É Sua, que a apresentadora falou com a CARAS sobre este novo capítulo da sua vida, que se escreve por terras americanas.
– Quando foi para Santa Monica, deu a si e à sua filha um ano para avaliarem esta experiência. Passados oito meses, que balanço faz?
Iva Domingues – É um balanço positivo, mas os primeiros meses foram muito difíceis, sobretudo porque a Carolina não tinha amigos. Ela fez os 15 anos lá e teve uma festa de anos sem nenhum adolescente. Nos primeiros três, quatro meses de escola, foi mesmo muito difícil, porque ela passou esse período sem um único amigo...
– Nessa altura repensou esta mudança?
– Foi uma altura em que pensei se teria tomado a decisão certa e tive dúvidas. Mas não sou de baixar os braços. E já esperava que os primeiros tempos fossem difíceis. Foi uma travessia do deserto, mas houve momentos em que percebi que ia valer a pena.
– Foi um começar do zero...
– Sim. Dou por mim a fazer o que fazia há 20 anos... Furar, tentar chegar aos sítios, conseguir credenciais, perceberem quem somos, e é um trabalho todo feito por mim. Mas tem valido a pena. O que me levou para lá foi a Carolina, e para ela tem sido muito bom. Neste momento, ela é a melhor aluna das várias turmas e já evoluiu imenso.
– Deixar Portugal foi realmente um salto de fé, foi um voto de confiança tremendo na sua filha...
– Sim, foi. E não é porque sou uma mãe babada. Também sou, mas nestas coisas sou muito pragmática. Se não lhe reconhecesse talento, não arriscaria tanto. E a verdade é que não me enganei, ela é muito boa.
– Sempre foram as duas muito unidas. Esta nova fase reforçou essa ligação?
– Completamente. Só nos tínhamos uma à outra, para o bem e para o mal. Mas o percurso tem sido bonito, ela cresceu muito.
– O que é que esta mudança lhe ensinou sobre si?
– Que sou mesmo valentona e que tenho muita força. Emigrar não é para toda a gente.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1184 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras