Nas Bancas

Anna70.jpg

Paulo Miguel Martins

Anna Eremin mostra o seu lado mais intimista: “as emoções comandam a minha vida”

Numa conversa franca, a atriz russa revelou ser uma mulher impulsiva, que vive as emoções sem filtros.

Marta Mesquita
28 de abril de 2018, 10:50

Filha de uma prima ballerina e de um músico, ambos russos, Anna Eremin tinha três anos quando veio para Portugal. Durante a sua infância viajou com os pais para todo o lado. Foi a concertos, a museus, viu filmes e começou a ler. Encontrou na arte uma companheira, e hoje, aos 27 anos, já não se imagina sem criar, sem interpretar outras vidas, sem tocar os outros com o seu talento.
Tal como numa relação amorosa, a atriz e a representação têm os seus altos e baixos. Se, por um lado, a sua entrega às personagens lhe proporciona uma alegria e entusiasmo eufóricos, por outro, é dolorosa, exigente e totalitária. E é nesta amplitude de emoções, neste tudo ou nada, que Anna vive a sua história, dentro e fora de cena.
Numa conversa sincera e sem tabus, a atriz revisitou o seu percurso, partilhou os seus sonhos e mostrou o seu lado mais emotivo e íntimo. Subiu ao “seu” palco, mas desta vez sem máscaras e em nome próprio.
– Como é que uma russa vem parar a Portugal?
Anna Eremin – Estamos no início dos anos 90. A minha mãe era prima ballerina e teve de fazer uma pausa para se dedicar à maternidade. Na altura, o quarteto onde o meu pai era pianista foi convidado para ficar em Portugal. O meu pai aceitou e viemos todos. Eu tinha três anos. Nesses primeiros tempos, até entrar na primária, andámos de um lado para o outro. Sempre que o meu tinha um concerto fora de Portugal, íamos com ele. Passei muito tempo com os meus pais.
– Ter tanto mundo desde pequena foi determinante para a mulher que é hoje?
– Sim, foi. Tudo o que aprendemos quando somos pequenos fica para a vida. Cresci em Portugal, mas era como se estivesse na Rússia. Aprendi a falar russo, lia em russo, via filmes russos… Só comecei a falar português quando fui para a primária. Os meus pais são artistas e cresci rodeada de arte. Por isso, quando chegou a altura de decidir o meu futuro profissional, não foi muito difícil perceber qual era a área que mais me fascinava. Os meus pais queriam que fosse advogada ou jornalista, porque sabem o quão difícil é ser artista. Todos os dias temos de nos confrontar com as nossas inseguranças e medos. É um processo doloroso.

O processo criativo é sempre doloroso?
– É sempre doloroso porque mexe com as nossas entranhas. Estamos constantemente a analisar o que fizemos, o que poderíamos melhorar… Quando comecei a trabalhar como atriz, percebi logo que era o que queria fazer para o resto da vida. Esta profissão é mágica, porque me permite tocar o coração das outras pessoas, o que é muito gratificante. Ver alguém emocionar-se com algo que faço é maravilhoso. Como atriz, posso ser uma criança para sempre, porque brinco ao faz-de-conta. Não consigo imaginar nada melhor do que isso.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1182 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras