Nas Bancas

_LC_7645.jpg

Luís Coelho

António Maria “acho que sempre fui um rebelde muito responsável”

O ator, que integra o elenco da novela da SIC “Espelho d’Água”, revelou as suas paixões e sonhos por realizar.

Marta Mesquita
25 de abril de 2018, 09:09

António Maria tem apenas 19 anos e só agora começou a dar os primeiros passos na área da representação. Contudo, bastou interpretar o papel de Kiko na novela Espelho d’Água, em exibição na SIC, para perceber que quer ser ator. Para trás ficou a ideia de prosseguir os estudos na área do desporto. Agora quer estudar representação e adquirir ferramentas para se tornar um profissional mais completo. Terminadas as gravações desta novela, António tem aproveitado para ter formação, estando a aguardar novos projetos.
Fora da televisão, o ator é o típico rapaz da sua idade. Gosta de conviver com os amigos e de praticar voleibol e futebol. Discreto, prefere não revelar se está apaixonado. Contudo, na conversa que teve com a CARAS, António assumiu ser um romântico que sonha ter um dia a sua própria família.
– Ser ator era um sonho de criança?
António Maria – Sempre gostei da área da representação, mas nunca achei possível ser ator, pensei que seria difícil entrar neste meio. Contudo, quando surgiu a hipótese, aproveitei.
– O António começou a sua carreira na moda. Foi algo que surgiu naturalmente ou andou à procura dessa oportunidade?
– Estava na praia e fui convidado para um casting. Participei no concurso Blast Models Search e ganhei. Mais tarde surgiu o casting para a novela Espelho d’Água. Nas primeiras semanas de trabalho foi complicado, porque estava fora do meio e tive de me adaptar. Quando comecei a gravar mais, fiquei com o bichinho. Nunca me diverti tanto nem nunca me senti tão realizado. Aprendi imenso com os atores com quem contracenei, como a Cristina Homem de Mello, a Mariana Pacheco e o Luís Gaspar. Quero trabalhar muito para mostrar aquilo que valho. Tenho a certeza absoluta de que quero ser ator.

– Antes desta oportunidade, como perspetivava a sua vida?
– Nessa altura não tinha propriamente um objetivo pelo qual lutar. Gostava muito de fazer desporto e pensava fazer os meus estudos superiores nessa área. Mas, mal comecei a trabalhar como ator, mudei de ideias. Gostava de fazer o conservatório e continuar a trabalhar na área. Ainda tenho tudo para aprender.
– Teve uma infância e uma adolescência felizes?
– Sim, muito. Sempre tentei ser um rapaz certinho. Ou melhor, acho que sempre fui um rebelde muito responsável. Na escola era o miúdo engraçadinho. Não gosto que me ponham à prova. Se dizem que não consigo, eu vou e faço. Gosto de provar que consigo fazer tudo. A minha mãe é educadora de infância e adora o que faz. O meu pai é economista e também é um ótimo profissional. Cresci com o perfeccionismo deles, que aprendi a valorizar. Sempre fomos muito unidos. Sou o mais velho de três rapazes.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1182 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras