Nas Bancas

JNS-DA-05.jpg

Joaquim Norte Sousa

Débora Sá a dois meses de ser mãe “é um filho muito desejado”

O casal vive numa moradia em frente à praia, em Vila Nova de Gaia. Django, um “weimaraner” de três anos, é o fiel companheiro de Débora e André, que esperam o primeiro filho para maio.

Joana Brandão
8 de abril de 2018, 11:04

Apresentadora do programa Consultório, do Porto Canal, Débora Sá, de 32 anos, e o marido, o médico dentista André Pedrosa, de 38, esperam o seu primeiro filho para o final de maio. Um bebé muito desejado, como nos disseram quando nos receberam em sua casa, em Vila Nova de Gaia.
– A vossa história tem graça, porque, apesar de serem ambos do Porto e de terem uma série de coincidências, só se conheceram em Lisboa...
Débora Sá – É verdade. Os nossos melhores amigos são irmãos, a clínica do André fica a cinco minutos da minha antiga casa, mas nunca nos tínhamos visto. Até que, há seis anos, fomos apresentados no NOS Alive por amigos comuns. Passado pouco tempo começámos a namorar e nunca mais nos largámos. Na altura, eu morava em Lisboa, mas tudo se desenvolveu naturalmente.
– Foi viver para Lisboa por motivos de trabalho?
– Depois do curso de Jornalismo, fui para Lisboa estagiar na TVI e depois só consegui trabalho lá e fiquei três ou quatro anos. Mas foi muito difícil estar longe da família, sentia saudades do Porto. Por isso despedi-me e, mesmo sem ter trabalho no Porto, voltei. Já namorava com o André há um ano e começámos a viver juntos. Entretanto, em 2015, consegui trabalho no Porto Canal como apresentadora do Consultório, e seis meses depois convidaram-me para fazer o Grandes Manhãs, com o Ricardo Couto. Foi um desafio muito intenso e gratificante. Entretanto, essa temporada terminou e eu voltei para o Consultório, com um novo formato. Gosto bastante do programa, é mais à minha imagem. Faço uma hora e meia em direto, todos os dias, e tenho como convidados vários médicos, de acordo com o tema. É muito interessante e útil para as pessoas.
– E que outros projetos gostaria de fazer em televisão?
– Sinto-me muito bem no Porto Canal, tenho tido excelentes oportunidades, mas neste momento, mais do que pensar em novos projetos, quero concentrar-me no que estou a viver pessoalmente: uma gravidez muito desejada. E quem sabe possa voltar a fazer entretenimento no futuro?
– Curiosamente, a apresentadora de Consultório é casada com um médico...
André Pedrosa – Pois, sou licenciado em Medicina Dentária e tenho uma clínica em Santa Maria da Feira. Naturalmente, eu e a Débora conversamos imenso sobre os temas que ela aborda no programa.
– Após seis anos de relação, estão à espera do vosso primeiro filho. Foi um bebé desejado?
Débora – Já esperávamos este filho há algum tempo. Demorou a vir, mas acho que aconteceu na altura certa. Quando fazia o Grandes Manhãs, tinha uma rotina complicada, com muito stress, e o facto de não conseguir engravidar foi complicado. Estivemos quase a esquecer o assunto quando finalmente aconteceu. O André ficou superfeliz, eu corri para os livros de gravidez e comecei a ler sobre o que iria acontecer a seguir. Digamos que a minha reação foi mais estranha, fui apanhada de surpresa.
– E como tem corrido a gravidez?
– Os primeiros três meses foram atribulados, sentia-me doente, com náuseas e enjoos, mas depois passou e tem sido muito bom. Estou a gostar muito desta fase. Continuo a fazer pilates, as caminhadas normais para passear o nosso cão, o Django, e já comecei a ter aulas de preparação para o parto. E o peso que tenho a mais é do bebé, não engordei além do que é normal. Sempre tive cuidado com a alimentação, eu e o André somos bastante regrados no dia a dia.
– Como é que a vossa família reagiu à notícia?
– Muito bem. Vai ser o primeiro neto dos nossos pais, o primeiro sobrinho... A expectativa é grande.
– Estão à espera de um rapaz. Ficaram felizes ou teriam preferido uma menina?
– Foi uma alegria muito grande, o André sempre quis um rapaz, para fazer desporto com ele. Eu, no meu íntimo, já sabia que ia ser rapaz, mas só peço é que tenha muita saúde. É um cliché, mas é mesmo assim.
André – Eu fiquei muito contente, sempre quis ser pai de um menino, para ir ao Estádio do Dragão ver o Porto e para jogar padel.
– O vosso filho irá chamar-me André em homenagem ao pai?
Débora – Não foi nada fácil escolher o nome. Fizemos uma lista, havia alguns nomes em comum, mas não chegávamos a nenhuma conclusão. Eu queria Lourenço e a certa altura juntámos o nome do pai e ficou André Lourenço.
– E já têm a casa pronta para o receber?
– Sim, ele já tem o quartinho pronto. Está bastante simples, ao nosso gosto, mas acho que está muito bonito e acolhedor.
– Faltam dois meses e meio para ele nascer. Já sente vontade de o ter nos braços?
– Ainda preciso de tempo. A natureza é muito inteligente, estes nove meses são bem precisos para os pais se prepararem. Mas às vezes penso nisso, no momento em que o irei ter nos meus braços. Acho que é normal sentir essa ansiedade, principalmente à noite, quando ele se começa a mexer, a dar pontapés, e eu acho que ele pode nascer a qualquer momento. A verdade é que este é um filho muito desejado, a concretização de um sonho. Quem me conhece sabe que nunca sonhei casar-me. O meu sonho de vida sempre foi ser mãe. Têm sido meses muito felizes. Estou em estado de graça e é muito bom sentir a felicidade das pessoas à nossa volta.
– O facto de o André ter conhecimentos de medicina dá-lhe mais segurança?
– Claro, recorro ao André sempre que tenho dúvidas, não só na gravidez, mas também no meu trabalho. Quando estou a preparar o Consultório, o André ajuda-me sempre que preciso. Mas, mais do que o parto, assusta-me ter um bebé indefeso, com poucos dias de vida, em casa.
– Diz que nunca sonhou casar-se, mas agora que vão ter um filho não vos faz sentido oficializar a relação?
– Não pensamos nisso, acho que não ia mudar nada.
André – É como se já fôssemos casados. Acho que passou o tempo de pensarmos nisso. Houve uma altura em que ponderámos, mas já não faz sentido. A Débora é a minha mulher, não a vejo como minha namorada.
– Já falam sobre a educação do vosso filho? Que princípios e valores lhe querem incutir?
Débora – Não sei que tipo de bebé estou a gerar, mas tenho uma certeza: vamos conseguir educar e formar uma pessoa simples e despretensiosa.
– E pensam ter mais filhos?
André – Gostávamos de ter dois filhos, mas vamos ver como corre.
Débora – Eu gostava de uma família grande.

fotos: Joaquim Norte Sousa; maquilhagem: Lucília Lara

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras