Nas Bancas

JLI_JoaoRolo--6139.jpg

João Lima

João Rôlo partilha, após perder os pais: “sou fruto de um grande amor”

No mês passado, o costureiro perdeu o pai e a mãe em apenas dois dias. Agora quer honrar esse legado através do seu trabalho.

Marta Mesquita
7 de abril de 2018, 14:02

Há pouco mais de um mês, João Rôlo, de 53 anos, viveu o momento mais difícil da sua vida ao perder os pais, Maria Cândida e José, com apenas dois dias de diferença. No dia do funeral da mãe, o pai do costureiro acabou por morrer na sequência do desgosto. Apesar de estar a sofrer com esta dupla perda, João tenta agora perpetuar o amor que recebeu dos pais através do seu trabalho na área da moda. A dar cartas na alta-costura internacional, o estilista tem visto as suas criações fazerem furor nas passadeiras vermelhas mais importantes do mundo, deixando várias estrelas rendidas ao seu talento. Mel B, que integrou o grupo Spice Girls, é uma das mais recentes “manequins” do costureiro português. E, se tudo correr como previsto, a cantora irá usar uma das suas criação no casamento do príncipe Harry e de Meghan Markle, já no próximo mês de maio.
Numa entrevista emotiva e muito sincera, João Rôlo partilhou com a CARAS a montanha-russa de emoções que tem vivido. A perda dos pais, as saudades que ficam, o sucesso que está a ter além-fronteiras e os sonhos por realizar foram os principais temas desta conversa.

É a primeira entrevista que dá depois da morte dos seus pais. Como é que está a lidar com esta perda?
Não lido nada mal com a morte. Todos vamos morrer. Acredito que sou uma mera ferramenta para transmitir amor através dos meus vestidos. Foi difícil perceber isso, mas agora é giro ver que quem veste as minhas criações sente isso. Estou a conseguir que esse amor chegue às pessoas.

Mas acredito que esta perda o tenha afetado profundamente…
– Sim, claro. Nunca estamos preparados para perder os nossos pais. Ainda há dias estava a trabalhar e, de repente, disse que ia ligar para o meu pai. É nesses momentos que sinto mais saudades. Acredito que isto me irá acontecer até ao fim dos meus dias. A minha mãe estava doente e sabíamos que, a qualquer momento, poderia falecer. Agora o meu pai... morreu de desgosto. Ele não foi ao funeral da minha mãe. Por isso, mal a cerimónia terminou, os meus irmãos foram ter com ele. Passadas algumas horas, morreu.

Ter testemunhado um amor assim deve ser especial…
Sem dúvida. Eles foram casados durante 60 anos e viveram uma história fabulosa. Sou fruto de um grande amor. Os meus pais tinham um grande orgulho no meu trabalho. Eu fui a concretização daquilo que a minha mãe não conseguiu fazer, porque os tempos eram outros. Ela adorava vir ajudar-me. Somos uma família muito unida, sempre vivi com muito amor. Só tenho de agradecer, porque tive uns pais maravilhosos. O meu pai era rigoroso. Na nossa casa, havia horas para comer e jamais íamos para a mesa de pijama. E ainda hoje cozinho de fato. Não tenho um fato de treino nem T-shirts de andar por casa.

Fotos: João Lima; Produção: Rita Vilhena

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1180 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras