Nas Bancas

JLI_MateusSolano-4949.jpg

João Lima

Mateus Solano: “digo aos meus filhos que erro muito, que sou frágil, até demais”

Depois de ter vivido no nosso país em pequeno, o ator regressou para pisar pela primeira vez os palcos portugueses.

Andreia Cardinali
30 de março de 2018, 16:04

Mateus Solano, de 36 anos, viveu parte da sua infância e adolescência em Portugal, altura em que o seu pai serviu como diplomata no nosso ­país,­ mas desde então não tinha voltado a pisar solo nacional. Por isso, assim que aterrou no aeroporto de Lisboa – no dia em que nos encontrámos com ele, no Hotel Iberostar – sentiu que estava em casa.
No Brasil ficou a mulher, Paula Braun, e os filhos de ambos, Flora, de sete anos, e Benjamin, de dois, que em breve talvez façam a sua primeira visita a Portugal, para ver Mateus na peça Selfie, que está em cena no Teatro Tivoli BBVA, em Lisboa, até dia 18. Este espetáculo, em que também participa Miguel Thiré, segue depois para o Teatro Sá da Bandeira, no Porto, onde estará em palco de 22 a 25.
– É a primeira vez que vai estrear uma peça no nosso país. Tem alguma expectativa?
Mateus Solano – É um grande prazer, mas não tenho muitas expectativas, porque eu sou assim mesmo. Só quando aterrei percebi que estava em Portugal para fazer uma peça. Sei que vai chegar às pessoas e diverti-las muito. Confio muito nesta peça e sei que irá agradar, mas é sempre um mistério.
– Viveu aqui em criança. É emocionante regressar?
– Muito mesmo, está a ser muito emotivo. Vivi aqui em pequeno, o meu pai serviu aqui como diplomata por três vezes e eu vinha cá muito visitá-lo, e por isso tenho muitas memórias de infância e depois da adolescência. Tenho amigos que moram aqui... Esta é a primeira vez que venho não só com uma peça, mas também que visito o país em idade adulta. Sei que irei desfrutar bastante, mas também reviver algumas das minhas recordações.
– Aterrou há poucas horas e com certeza ainda não deu para passear. Mas nota diferenças entre a Lisboa que conheceu e a de agora?
– A diferença é muito mais no meu olhar do que na Lisboa em si. Antes eu tinha o olhar de uma criança e agora o de um adulto de 36 anos. Certamente o meu olhar mudou mais do que a cidade, mas oiço falar maravilhas de Portugal, de Lisboa e do Porto.
– Vai ficar cá quase um mês. Como é que lida com as saudades de casa?
– É muito chato, mas faz parte. É uma profissão sem muitas rotinas, mas acho que isso também é estimulante para uma família. Penso que uma das grandes questões do ser humano é a inércia, por isso acho importante sermos obrigados a ‘chocalhar’ não só em saudades – que são um bom tempero para um relacionamento –, mas também em aprender a lidar com a falta. E talvez eles me façam uma visita quando estivermos com a peça no Porto.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1179 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play


Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras