Nas Bancas

Duarte31.jpg

Paulo Miguel Martins

Duarte Gomes revela: “sou um homem tímido e observador”

Nesta entrevista, o ator ultrapassou a sua timidez e revelou um pouco do seu lado mais privado.

Marta Mesquita
30 de março de 2018, 11:02

Para quem é tímido e reservado, ser ator pode parecer a escolha errada. Contudo, para Duarte Gomes, de 31 anos, nunca houve opção. Na adolescência entrou para o Chapitô e no segundo ano do curso já tinha a certeza absoluta de que queria representar. Ao longo do seu percurso, o ator tem mostrado talento e versatilidade, estando atualmente a interpretar o rebelde Diogo Guerra na novela da TVI Jogo Duplo, uma personagem que não poderia ser mais desafiante para o rapaz certinho que Duarte sempre tentou ser, tirando uma ou outra ocasião, como nos conta nesta entrevista.
Se na ficção o ator quer dar nas vistas, na vida de todos os dias não é bem assim. Sem se deslumbrar com a fama, Duarte assegura que aprecia “as coisas simples” e que o seu dia a dia “não é muito emocionante.” Discreto, também não gosta de expor o lado mais pessoal. Contudo, nesta manhã passada à beira-rio, revelou que é um homem apaixonado e que vive um namoro sólido há vários anos.
– Interpretar um rebelde é um grande desafio?
Duarte Gomes – Sim, porque o Diogo é uma pessoa que está mal com a vida e eu não me revejo nele. Fui buscar muitas coisas a um amigo que nem sequer sabe que me estou a inspirar nele.
– Sempre foi um rapaz certinho?
– Todos nós temos laivos de rebeldia. Na adolescência temos certezas de tudo e achamos que já somos adultos. Foi nessa altura que entrei no Chapitô, por isso vivi a chamada “idade do armário” de uma forma um bocadinho diferente. Lá, fui obrigado a crescer. Mas tive os meus momentos de rebeldia... Um dia chateei-me com a minha mãe e disse-lhe que ia sair de casa. Estive três dias na casa do meu pai. Acho que foi o meu maior ato de rebeldia. [Risos.]
– Ter entrado no Chapitô foi mesmo um momento determinante na sua vida?
– Sim. Estava descontente com o percurso escolar normal, queria só passar de ano e não estava motivado. Nessa altura já tinha vontade de ir para uma escola de teatro. Optei pelo Chapitô, porque tinha um ensino que abrangia também as áreas da dança e do circo. Precisei mesmo desse abanão. Nessa altura, sentia que estavam a acontecer muitas coisas na minha vida. O Chapitô é em Lisboa, eu vivia em Oeiras e afastei-me de todos os meus amigos… Apesar de estar a fazer algo que queria muito, tudo aquilo mexeu bastante com as minhas emoções. Entrei na escola com 15 anos, o que, por si só, já é uma altura de mudança. Andava um bocadinho mais explosivo.
– E hoje quem é o Duarte longe da televisão e dos palcos?
– Sou um homem tímido e observador. Preciso de algum tempo para me sentir confortável. Gosto das coisas simples e não tenho caprichos. Não tenho uma vida muito emocionante. Também gosto bastante de fazer desporto. Nós, atores, nem sempre conseguimos saber quem somos, porque trabalhamos muito com as emoções e acabamos por ficar um bocadinho perdidos. Parece que vivemos com uma capa, porque precisamos de proteger o nosso interior. Mas sou uma pessoa de sorriso fácil. Vivo no mundo, não estou num lugar que é só meu. É bom ter amigos fora da área, que me puxam para outras realidades.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1179 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras