Nas Bancas

João60.jpg

Paulo Miguel Martins

João Catarré fala da paixão pelo trabalho e do amor pela filha

Reservado em relação à sua vida amorosa, o ator, de 37 anos, está concentrado no papel de protagonista na novela da TVI “Jogo Duplo” e na educação da filha, Francisca, de dois anos e meio, fruto da relação já terminada com Sandra Santos.

Joana Carreira
21 de março de 2018, 16:18

João Catarré é um homem simples e de convicções fortes. Focado na sua carreira, o ator, de 37 anos, tem na filha, Francisca, de dois anos e meio – fruto da relação já terminada com a também atriz Sandra Santos –, a luz dos seus olhos. Um “papel” que contrasta com aquele que interpreta na novela da TVI Jogo Duplo, uma personagem manipuladora, mas não menos humana.
– É o protagonista de Jogo Duplo. Está a gostar do projeto?
Tem sido muito trabalhoso, motivador e desafian­te, felizmente. Estou a gostar muito. Interpretar o João [Guerra] está a dar-me imenso gozo, porque é uma personagem diferente das que já fiz. À medida que recebo os episódios, vou querendo sempre saber mais. Acabamos por ser espectadores da novela que estamos a fazer. Estamos sempre à espera do que vem a seguir e divertimo-nos imenso a gravar.Era deste personagem que estava a precisar na sua carreira, neste momento?
Nunca fui apologista de que é apenas mais um trabalho. Encaro cada personagem que faço como a mais importante. Esta é realmente muito importante, porque é a que me está a dar mais trabalho, é especial e complexa. De certa forma, há uma enorme responsabilidade. Não vou dizer que estava a precisar de uma personagem como esta, mas neste momento é aquela que estou a interpretar e a construir.
Como têm sido as reações do público a este projeto?
Positivas, sempre, o que é bom sinal. Falam-me muito sobre o lado romântico com a Margarida [personagem interpretada por Sara Prata]. É um orgulho fazer parte deste projeto.
Gosta de receber críticas, sejam positivas ou negativas?
Recebo todas! Faz-me crescer. Temos de ouvir as críticas boas e valorizá-las na medida certa. Quando ouvimos as más, independentemente da nossa opi­nião, temos de avaliar se essa crítica pode ser benéfica para a evolução do nosso trabalho.
O João da novela é muito destemido. Na vida real gosta de pisar o risco?
Acho que todos passamos por essa fase, há alturas para tudo. Agora estou focado no trabalho, ir buscar a minha filha e regressar a casa. Não tenho grande margem para isso.
É uma pessoa emotiva ou mais racional?Sou um misto, e acho que todos temos esses dois lados. Pro­fis­sionalmente, sou muito racional quando estou a preparar os textos. Enquanto ator, tenho de ter esse lado e saber conjugá-lo com a emoção. Sou racional nas coisas em que tenho de o ser e emotivo quando calha.
Ser pai veio preenchê-lo?
Ser pai é a melhor coisinha do mundo. Ver a minha filha crescer e poder brincar com ela todos os dias é maravilhoso.

Fotos: Paulo Miguel Martins Produção: Vanessa Marques Maquilhagem: Madalena Martins

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1178 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras