Nas Bancas

0.jpg

Catarina Furtado fala de assédio sexual

A apresentadora admite ter sido assediada em ambiente laboral.

CARAS
2 de fevereiro de 2018, 15:07

Ao participar no programa da Rádio Comercial "Cada um sabe de si", Catarina Furtado revelou a Joana Azevedo e Diogo Beja que o momento mais embaraçoso que já teve na vida aconteceu quando foi assediada. Esta resposta deu que falar nas redes sociais e entre alguns órgãos de comunicação social, o que leva a apresentadora a publicar no Facebook um texto em que esclarece a afirmação que fez.

"Porque é que até então nunca o tinha dito? Porque de facto nunca calhou e porque de facto existe agora uma espécie de libertação e protecção sobre esta questão. Questão esta que tem variadíssimas variantes e que são essas variantes que me fazem escrever este post: O que eu vivi foram situações de assédio sexual por parte de pessoas que tinham funções hierárquicas acima da minha e eu ainda não era esta mulher forte e conhecedora do mundo real", começa Catarina Furtado, para recordar a época em que o assédio aconteceu:"Era uma muito jovem rapariga, cheia de vontade de provar que gostava de trabalhar e que queria dar o meu melhor, agarrando os meus sonhos. Com mini-saia, de calças, de vestido decotado ou de fato de treino ou gola alta".

A apresentadora garante que decidiu falar neste assunto agora para servir de exemplo, especialmente a duas jovens que lhe são muito especiais: Ora, tenho uma filha e uma enteada, a minha enteada tem 21 anos, e eu quero que hoje elas percebam que quando um homem mais velho utiliza o seu "poder" para tentar algo mais, exercendo chantagem em relação às suas ambições, elas possam dizer "Não" mas sem medo das represálias profissionais. Eu disse "Não", com medo, e fingindo que não estava a perceber bem, arranjando desculpas e sorrindo para não nascerem conflitos irreparáveis. Consegui. Fiquei orgulhosa. Mas inconscientemente sabia que eram situações que não seria suposto contar a ninguém, nem aos meus pais".

Para concluir, Catarina diz que é importante falar sobre assédio sexual de modo a mudar a mentalidade da sociedade: "Enquanto Embaixadora de Boa Vontade do UNFPA, há já 18 anos, e através da associação que fundei há 6 anos Corações com Coroa, trabalho todos os dias, em equipa, as questões da desigualdade com base no género e por isso não necessito de modas para falar em público. Infelizmente a nossa sociedade ainda precisa de um debate sério, sem ataques mútuos, sobre os nossos comportamentos cívicos. Um debate sobre educação para o respeito. Ainda precisa destas Modas para ver se agarramos a oportunidade!"

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras