Nas Bancas

Simone de Oliveira reage à morte de Madalena Iglésias: "É um grande desgosto"

Assumindo que foram rivais durante a década de 60, Simone guarda, porém, o convívio com a artista. "O resto são cantigas", garante.

CARAS
16 de janeiro de 2018, 12:25

Falar de Madalena Iglésias é falar da canção "Ele e Ela", com a qual venceu o Festival da Canção em 1966, e é também falar de Simone de Oliveira, a outra grande voz feminina da década de 60 em Portugal. À época rivais, “coisa de miúdas", as duas cultivavam um respeito mútuo, que leva Simone a confessar o “grande desgosto" pelo desaparecimento de Madalena, aos 78 anos: “Hoje é um mau dia, muito mau dia”.

Para Simone, que não estava com Madalena “desde que a convidei para vir ao espetáculo dos meus 50 anos de carreira no Coliseu”, a notícia caiu como uma bomba: “Ainda estou a digerir isto tudo, era a última coisa que imaginava ouvir, porque nós não imaginamos que desaparecemos”.

Referindo-se à colega como um marco na história da música portuguesa, Simone recordou o quarteto que formou com Madalena, António Calvário e Artur Garcia e manifestou profunda tristeza pela perda. Fica a memória e a saudade: "Como eu costumo dizer: o resto são cantigas!", rematou.

A cantora Madalena Iglésias morreu hoje, dia 16 de janeiro de 2018, numa clínica em Barcelona, Espanha.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras