Nas Bancas

JLI_JoanaReymaoNogueira-677.jpg

João Lima

Joana Reymão Nogueira: "O amor é o melhor ingrediente para tudo na vida"

João, de 12 anos, Teresa, de 14, e Luísa, de 16, são as personagens principais do mundo de afetos da empresária e doceira.

Cristiana Rodrigues
1 de janeiro de 2018, 14:40

A tarde está chuvosa. Joana Reymão Nogueira está à porta para nos receber com um sorriso rasgado ao qual é impossível ficarmos indiferentes. Com uma simpatia ímpar, põe-nos à vontade e encaminha-nos para sua casa. Lá dentro é Natal. As velas estão acesas, há um presépio com musgo, uma árvore de Natal iluminada e cheira a lareira. A mesa também está posta, uma mesa de doces à qual é difícil resistir, ou não fosse Joana uma doceira de exceção. Os três filhos, Luísa, de 16 anos, Teresa, de 14, e João, de 12 [nascidos do seu casamento, entretanto terminado] estão quase a postos para serem protagonistas, ao lado da mãe, desta sessão fotográfica. Mas decidimos começar pela entrevista. Joana, 44 anos, falou-nos do seu percurso profissional, contou-nos como é a sua relação com os filhos e como concilia a carreira com o papel de mãe. Emocionou-se ao recordar o pai, Zé Tó Reymão Nogueira, que morreu em 1997 com um ataque cardíaco fulminante, e mostrou uma enorme gratidão pela mãe, Lalu Reymão Nogueira. Para descontrair, e porque Joana diz não se sentir muito à vontade no papel de entrevistada, começámos por falar da quadra natalícia.

– Qual é o ingrediente principal para um doce Natal?
– O amor. Sem amor não existe nada. O amor é o melhor ingrediente para tudo na vida. Se não houver amor, a vida para mim não faz sentido. E no nosso Natal a base é exatamente essa. Claro que há troca de presentes, mas em termos simbólicos, porque o amor que existe entre nós é muito mais valorizado. Com a morte do meu pai, o Natal tornou-se mais triste, mas os meus filhos vieram trazer-me de novo a alegria desta quadra e eu quero que eles a vivam com a mesma intensidade com que eu sempre a vivi.

– Por falar em amor, separou-se há seis anos, os seus filhos eram pequenos. Como conciliou o trabalho com eles?
– Sou extremamente organizada e tento conciliar tudo. Eles são a inspiração da minha vida, a minha força de viver e a minha prioridade máxima. Mas dão o maior valor à minha profissão, à minha vida e reconhecem que é por eles que eu trabalho, com o intuito de lhes proporcionar tudo de bom, por isso, é mais fácil perceberem quando não estou tão disponível.

– Portanto, não lhe cobram a possível falta de disponibilidade.
– Há alturas em que a minha profissão é complicada, há noites que passo em claro, mas consigo sempre conciliar. Quando eles sabem que vou trabalhar à noite, aproveitam-me durante o dia e se, por exemplo, chego a casa cansada, vão todos para a minha cama pôr a conversa em dia. Sabem que contam comigo para tudo. Depois, tenho a ajuda incondicional da minha mãe, que está sempre presente quando é preciso e a quem sou muito grata. É uma excelente avó.

Fotos: João Lima

Produção: Rita Vilhena

Maquilhagem: Raquel Peres

Agradecimentos: Ali-Jo, AntiMilk, Arboretto, Massimo Dutti, Zara e Zara Home

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1167 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras