Nas Bancas

O Natal encantado de Bárbara Alves da Costa e Pedro Gil Ramos

A jornalista e o arquiteto fazem uma visita guiada ao seu refúgio, inspirado em contos infantis.

Cláudia Alegria
25 de dezembro de 2017, 14:00

Um arquiteto, uma jornalista, três crianças – Bernardo, de 12 anos, filho dele, Maria do Mar, de 12 anos, filha dela, e Alice, de quatro, filha de ambos – e um monte alentejano transformado em local mágico onde se trocam experiências, risos, cumplicidades e se partilham histórias. Apresentados os protagonistas e o cenário, é hora de dar a conhecer melhor a história vivida por Bárbara Alves da Costa e Pedro Gil Ramos na Terra do Sempre, um turismo rural que desenvolveram em Grândola inspirado em contos infantis com o intuito de deixar boas memórias a quem por lá passa. Independentemente do número de capítulos que possa preencher esta história, o objetivo da obra é terminar com um “e foram felizes para sempre”.
– Qual é o vosso lema de vida?
Bárbara Alves da Costa – Ter tempo. E viajar. E mostrar aos miúdos que se pode viver de outra maneira sem estar presos àquilo que é suposto sermos.
– Os dois partilham a mesma filosofia?
– Somos iguais, caso contrário, isto seria impossível. Era uma casa de malucos.
Pedro – Isto é uma casa de malucos!
– Uma maluqueira mais ou menos organizada?
Bárbara – Temos os pés no chão e a cabeça no ar. Esse ponto de equilíbrio não é fácil e demorámos um bocadinho a chegar aqui. Um diz mata e o outro diz esfola. Eu digo vamos e ele já está a fazer as malas. Sou jornalista, trabalhei na SIC durante 17 anos, o Pedro é arquiteto, e passávamos a vida sempre a correr. Gostamos de fazer desporto, de ter sempre a casa cheia, de fazer mil e uma coisas.
– Isso será uma hiperatividade não diagnosticada?
– Exato, mas saudável. Acho que aqui no Alentejo aprendemos a viver com mais calma, e neste momento valorizamos muito o facto de termos mais tempo e de não estarmos presos a horários. Ao trocarmos a nossa vida em Lisboa pelo Alentejo, atirámo-nos um bocadinho sem rede e, se corresse mal, logo se via. E é assim que vivemos. Não sabemos muito bem se vai resultar, mas tentamos.
– Qual dos dois tinha ligação a esta zona?
– Nenhum.
Pedro – Eu sempre fiz férias em Melides, mas era a única ligação que tinha. O nosso objetivo era encontrar um espaço que estivesse perto do mar e de Lisboa. Todos os fins de semana trazíamos os miúdos para esta zona e um dia ficámos com o carro atolado aqui. O monte estava à venda e acabámos por comprá-lo no dia 1 de abril, em 2011.
Leia esta entrevista na íntegra na edição 1164 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play
Vídeo de 'making of' da sessão fotográfica que acompanha a entrevista:

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras