Nas Bancas

Luís Onofre: “Estou a viver uma fase muito feliz”

Há 18 anos lançou a primeira coleção em nome próprio. Hoje, é uma das principais marcas de luxo de Portugal.

Joana Brandão
9 de setembro de 2017, 14:00

O conceituado criador de calçado Luís Onofre passou uma tarde com a CARAS, na Ribeira do Porto, onde nos falou da loja que abriu recentemente no Aviz, três anos depois da de Lisboa, dos 18 anos da marca com o seu nome, dos desafios a que se propôs para dar continuidade ao bom trabalho desenvolvido pela associação que reúne os indus­triais daquela que é considerada a “indústria mais sexy da Europa”, e também das suas três filhas, Beatriz, de 19 anos, Marta, de 16, e Maria Luís, de 11, e da sua atual namorada, Ariana Marques.
Sereno, aos 45 anos recorda a primeira coleção em nome próprio, lançada em 2009. Muito aconteceu desde então. Hoje, Luís Onofre exporta 93 por cento da sua produção e já viu os seus sapatos nos pés de celebridades como a anterior primeira-dama dos EUA, Michelle Obama, a rainha Letizia de Espanha ou as atrizes Cameron Diaz e Penélope Cruz.
Com a abertura da loja no Porto, e o sucesso de Lisboa e da loja online, o próximo passo é abrir espaços monomarca pelo mundo, começando pelos EUA. Algo que está a ser bastante ponderado pelo empresário, numa altura em que a marca atinge a maioridade.
Na presidência da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes e Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS) desde maio, Onofre trabalha para continuar a valorizar o “made in Portugal” no mundo e para tal está a preparar parcerias com outros produtos de luxo, para, juntos, catapultarem o que de melhor se faz por cá.
– Três anos depois da aposta numa loja Luís Onofre em Lisboa, chegou a vez do Porto. Como correram estes primeiros meses?
Luís Onofre – Muito bem, felizmente. Como abrimos um bocadinho tarde na estação, perto dos saldos, tive de pensar numa estratégia que trouxesse novidade a este espaço. Criei modelos exclusivos, em edição limitada, que só é possível encontrar na loja do Porto, e as reações têm sido bastante positivas. A par da coleção, creio que a parceria que fizemos com a Boca do Lobo [marca de referência no setor do imobiliário] no que toca à decoração resultou em pleno. Gosto de tal forma desta loja que já estou a repensar a de Lisboa. Digamos que o espaço do Porto ficou especialmente bonito e servirá de modelo para a internacionalização. Já tenho alguns projetos na calha para abrir lojas monomarca fora de Portugal.
– Para que países exporta mais e quais serão as suas apostas futuras?
– Depois dos angolanos, hoje são os franceses os nossos maiores clientes a nível internacional. Tem sido uma agradável surpresa. No que se refere à abertura de lojas Luís Onofre, há uma série de fatores que têm de se conjugar para se poder avançar. Além da localização, é preciso encontrar o parceiro certo e o produto adequado a cada país. Tudo isso é um trabalho muito demorado. Há 18 anos, quando comecei com a marca Luís Onofre, o mercado era bastante diferente.
Leia esta entrevista na íntegra na edição 1152 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play
Vídeo de 'making of' da sessão fotográfica que acompanha a entrevista:

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras