Nas Bancas

Dois anos após a morte da namorada, Jim Carrey regressa aos grandes eventos visivelmente abatido

Ator pisou a passadeira vermelha do Festival Internacional de Cinema de Veneza.

CARAS
8 de setembro de 2017, 10:10

Em 2015, Jim Carrey foi confrontado com a morte da ex-namorada, Cathriona White, e desde então tem estado afastado da vida pública. À exceção de dois eventos no início deste ano, em janeiro e em maio, foram raras as vezes em que o ator, de 55 anos, pisou uma passadeira vermelha como aconteceu no início desta semana, no Festival Internacional de Cinema de Veneza.
Consciente do impacto da sua ausência, Jim Carrey mostrou-se disponível para tirar selfies com os fãs e distribui autógrafos e sorrisos. Ainda assim, o seu ar abatido não passou despercebido.
Recorde-se que Cathriona White, de 30 anos, se suicidou pouco mais de um mês depois dos dois se terem separado, ingerindo uma dose excessiva de medicamentos que pertenciam ao ator. Embora numa primeira fase tenha sido um dos suportes da família da maquilhadora irlandesa, Carrey acabou por ser responsabilizado pela mesma pela tragédia e o caso ainda está em tribunal. No passado mês de junho, os representantes legais da estrela de Hollywood pediram o encerramento do processo, mas a juíza responsável pelo caso considerou que o ator tem de ser julgado, estando a primeira sessão agendada para 26 de abril de 2018. O comediante é acusado de negligência por fornecer os medicamentos usados para o suicídio pela ex-namorada. A acusação afirma que Carrey deu os remédios apesar de saber que a vítima não tinha condições psicológicas para lidar com substâncias viciantes e já havia tentado antes por fim à vida. A família de White defende que ainda que Jim Carrey obteve os remédios de forma ilegal e tentou esconder o seu envolvimento no caso. Uma tese também defendida por Mark Burton, ex-marido de Cathriona White.
Na altura, o ator reagiu em comunicado à decisão do tribunal: "É uma pena terrível. É muito difícil para mim entrar numa sala privada com o advogado desse [Mark Burton] homem e continuar esta luta, mas há certos momentos na vida em que temos de defender a nossa honra contra o mal deste mundo. Não aceitarei essa tentativa cruel de tentar extorquir-me sem respeitar a mulher que amei. (…) Os problemas de Cat surgiram muito antes de nos conhecermos e sua trágica morte estava fora do controlo de todos. Realmente espero que um dia as pessoas deixem de tentar lucrar com isso e a deixem descansar em paz".

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras