Nas Bancas

April Ivy: “Sinto que acabei por construir a minha sorte”

A CARAS conversou com a jovem cantora no dia em que esta pisou o palco principal do Meo Sudoeste.

André Barata
26 de agosto de 2017, 16:00

Mariana Gonçalves. Se a apresentarmos desta forma, poucos saberão de quem se trata. Mas se a tratarmos pelo seu nome artístico, April Ivy, o caso muda de figura. April começou a cantar e a fazer dobragens para filmes de animação com nove anos e, aos 18, depois de ter conquistado palcos de norte a sul do país, já tem os olhos postos numa carreira internacional. No dia em que subiu ao palco principal do Meo Sudoeste, a cantora reservou algum tempo para conversar com CARAS.
– Porquê April Ivy?
April Ivy –
Abril sempre foi um mês em que me aconteceram coisas espetaculares. Foi nesse mês que fomos contactados pela Universal França, por exemplo. Parece que há uma vibe à volta do mês de abril! Este ano, em abril, fui nomeada para os Globos de Ouro e ganhei o Prémio Revelação da Rádio Nova Era. Quanto ao Ivy, sempre foi um nome americano de que gostei muito e como adoro a filha da Beyoncé, escolhi esse nome.
– Apesar da sua idade, este sonho já tem alguns anos...
– Se me perguntassem aos nove anos o que queria ser, daria exatamente a mesma resposta que dou hoje. Sempre quis ser cantora e os meus pais apoiam-me desde o primeiro momento.
– Eles tinham noção do seu potencial?
– A minha mãe achava que eu era engraçadita, mas não sabia que poderia conseguir uma carreira profissional. A família sempre me apoiou, só não imaginavam que seria uma coisa tão grande como foi. Até que, aos 14 anos, profissionais da área começaram a dizer que eu tinha potencial. Fiz um estágio de marketing no grupo Renascença e, no final da semana, visitei a Mega Hits. Perguntaram-me se fazia alguma coisa relacionada com música e eu cantei! Deram-me uma guitarra, puseram-me a tocar para trezentos mil ouvintes e, no dia seguinte, tinha a diretora de uma editora e um manager para me conhecerem.
– Aconteceu tudo de uma forma muito natural...
– Sinto que acabei por construir a minha própria sorte. Supostamente, se eu não fizesse uma espera ao diretor da rádio para lhe pedir a oportunidade, nem ia ficar naquele estágio! Mas tinha um feeling! Eu gravava as minhas músicas com o microfone de uma consola de jogos e fui guardando o que fazia. Quando tudo se alinhou, já tinha um portfólio para mostrar.
Leia esta entrevista na íntegra na edição 1150 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Veja o vídeo de 'making of' desta sessão fotográfica:

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras