Nas Bancas

A escolha de… Jorge Romão

Os GNR, banda da qual é baixista quase desde o início, levaram ‘Cadeira Elétrica’ ao Festival Douro Rock, a 11 de agosto.

CARAS
20 de agosto de 2017, 20:00

Nasceu em Luanda em 1963 e com 12 anos mudou-se para Portugal e adoptou o Porto como casa. Depois de uma curta passagem pelos Bananas, que viriam a ser os Ban, em 1981 Jorge Romão ingressou nos GNR como baixista.
Pai de Tito, de 22 anos, Concha, de 19, Dinis, de 15, e Lopo, de 14, é um dos rostos mais populares da música portuguesa. Amante da natureza, é desportista por convicção, e hoje veste com orgulho a camisola da equipa de remo do Sport Club do Porto, onde treina e por quem compete a nível nacional.
MÚSICA: “Rip It Up”
Esta música está no disco vinil de sete polegadas dos Orange Juice. Saiu em 1982 e eu sempre dancei muito ao som desta canção. É a música que dá título ao segundo trabalho destes escoceses e que está na lista dos 1001 discos para ouvir antes de morrer.
FIM DE SEMANA: Mora
Gosto do Alentejo no seu todo, mas ultimamente tenho ido mais para Mora. Lá, visito a Adega Susana Esteban, que tem excelentes vinhos, e posso sempre provar os petiscos da D. Luísa.
VIAGEM: Açores
Volto sempre que posso, e ao máximo de ilhas que consigo. Felizmente, tenho amigos em todas e juntos, em família, podemos gozar ao máximo a paisagem, banhos de mar, passeios de barco e peixe grelhado. É um paraíso!
FILME: “L’Atalante”
Foi a única longa-metragem de Jean Vigo, que morreu pouco depois, aos 29 anos. A preto e branco, estreado em 1934, é sobre personagens abandonadas pela sociedade. L’Atalante marcou-me quando vi uma cópia restaurada na Casa das Artes, no Porto, nos anos 80. De tal forma que fiz o meu corte de cabelo como o do Jean, o ator principal.
CONCERTO: Motorhead
Vi-os no Vodafone Paredes de Coura em 2004 e nunca mais me esqueci deste concerto: estivemos o tempo todo debaixo duma chuva intensa, mas ninguém arredou pé. Além disso, ter visto e ouvido o Lemmy foi um privilégio que não esqueço.
RESTAURANTE: Herdade de São Lourenço do Barrocal
O restaurante desta herdade em Monsaraz segue o conceito do campo-para-a-mesa e a comida do chef Júlio Vintém é extraordinária. Além disso, o espaço é muito bonito, gostei bastante da decoração.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras