Nas Bancas

Exibição de cassetes onde Diana relata a sua vida provoca polémica em Inglaterra

Intitulado “Diana: In Her Own Words”, o documentário resume em 90 minutos as longas conversas que a princesa teve com o seu professor de voz e que permitiu que fossem gravadas. Charles Spencer, irmão da princesa, chegou a ir a tribunal para tentar que estas gravações não fossem divulgadas.

Ana Paula Homem
19 de agosto de 2017, 18:00

No passado dia 6 de agosto, o canal de televisão inglês Chanel4 bateu recordes de audiência com a exibição do documentário Diana: In Her Own Words, uma resenha de 20 cassetes de vídeo gravadas entre setembro de 1992 e dezembro de 1993 e nas quais a princesa Diana faz um relato exaustivo do que foi a sua vida a partir do momento em que conheceu o príncipe Carlos. Estas cassetes foram gravadas durante várias e longas conversas que Diana teve com o seu professor de colocação de voz, o ator Peter Settelen. O coro de indignados com a exibição destas conversas de teor tão íntimo não se fez esperar nas redes sociais, onde a maioria dos posts diz que esta exposição foi um ultraje à memória da ‘Princesa do Povo’, mas a colunista Jan Moir, do Daily Mail, é de opinião contrária, defendendo que Diana teria adorado que vissem a mulher que estas cassetes mostram: luminosa, divertida, vivaça e capaz de ironizar sobre o inferno que foi o seu casamento.
Sentada no sofá do seu escritório de Kensington Palace, que se tornou sua residência oficial depois do divórcio, a princesa de Gales conta, entre muitas outras coisas, como Carlos a assediou quando se conheceram, tentando beijá-la quase à força, e como isso foi desconfortável para ela, diz que o príncipe foi muito inconstante durante o namoro, ora ligando-lhe todos os dias, ora passando duas e três semanas sem lhe dizer nada, adianta que antes de se casarem só se viram em 13 ocasiões e que depois de casados tinham sexo uma vez por mês, o que acabou por completo depois de Harry nascer.
Diana explica também que a sua bulimia foi uma autopunição motivada pelo facto de se sentir mal-amada pelo marido e pouco apreciada pela família real em geral, confidencia que uma noite surpreendeu Carlos na casa de banho numa conversa de cariz sexual com Camilla Parker Bowles e que, quando o confrontou com essa descoberta, ele lhe respondeu que não estava disposto a ser o único príncipe de Gales a não ter amantes. Na sequência desta discussão, a princesa pediu ajuda à sogra, para tentar pôr um fim às infidelidades do marido, e Isabel II respondeu-lhe que Carlos era um caso perdido.
Diana assume também que cinco anos depois de casada se apaixonou perdidamente por um dos seus guarda-costas, Barry Mannakee, com o qual, apesar de não ter tido uma relação íntima, chegou a pensar em fugir. E deixa uma acusação velada: diz que quando isso foi descoberto pela família real Mannakee foi despedido, morrendo num estranho acidente de mota três semanas depois.
A verdade é que, três anos depois de ter feito estas gravações, Diana falou de tudo isto na famosa entrevista que deu à BBC. E se permitiu que Setellen registasse as conversas para a posteridade, foi certamente porque não se importava que elas viessem a lume.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras