Nas Bancas

Recém-chegados a Portugal, Tamir e Kathrine Kobrin já se sentem em casa

O diretor-geral do Anantara Vilamoura Resort e a mulher formam uma equipa de sucesso tanto a nível pessoal como profissional.

André Barata
15 de agosto de 2017, 14:00

Com mais de 20 anos de experiência em gestão de hotéis e resorts de luxo um pouco por todo o mundo, 17 dos quais na Ásia, o suíço Tamir Kobrin chegou a Portugal recentemente, para ocupar o cargo de diretor-geral do Anantara Vilamoura Resort, a primeira aposta na Europa do grupo hoteleiro tailandês Anantara. A seu lado nesta aventura pessoal e profissional está a caribenha Kathrine, a mulher por quem se apaixonou há já 20 anos.
– Sendo oriundos de países tão distantes, como é que se conheceram?
Kathrine – Eu nasci em Trindade e Tobago, mudei-me para Nova Iorque aos 19 anos e entrei no mundo da hotelaria. Cantava em alguns bares de jazz e fazia trabalhos como manequim, que era o que todo o mundo queria fazer naquela cidade! Há 20 anos conheci o Tamir, em Nova Iorque, e ele pediu-me para viajar com ele pelo mundo.
Tamir – Quando conheci a Kathrine e percebi a forma como ela interagia com o staff, disse para mim que ela seria a mulher perfeita para um diretor-geral. Embora na altura ainda não tivesse atingido o posto, sempre foi a minha aspiração.
– Pode dizer-se que o vosso foi um amor à primeira vista?
– Conjugado com um master plan, foi amor à primeira vista. Sou virginiano e por isso tenho sempre tudo planeado. Percebi, pela maneira de ser genuína da Kathrine, que era a mulher que eu precisava a meu lado, e isso define em muito o nosso sucesso a dois. A nível pessoal, ela sempre foi a mão que me segura, a ouvinte, o ombro para eu chorar. A nível profissional, a sensibilidade, personalidade e energia com que ensina e motiva uma equipa, sempre de uma forma divertida, são mágicas. É ela que ouve a equipa, eu sou só o sommelier suíço que quer tudo perfeito e organizado. E funcionamos na perfeição.
– Já conheciam o nosso país?
Kathrine – Ainda não tínhamos tido a oportunidade. Chegámos com a noção de que esta seria a nossa casa durante os próximos dois anos, mas não sabia que tinham vinhos tão bons, pessoas tão simpáticas e uma comida tão fantástica. É maravilhoso, mesmo!
Tamir – Depois de 17 anos na Ásia, este país marca o meu regresso à Europa. Aqui, temos de fazer com que as pessoas sejam duplamente hospitaleiras. Todos os que trabalham connosco têm de trazer para o hotel o espírito familiar que vivem nas suas casas. Só dessa forma os hóspedes vão sentir uma ligação especial.
– E como é que têm sido estes primeiros meses em Portugal?
Tamir – Primeiro, acho que esta é a melhor altura para se viver aqui. Toda a gente fala sobre Portugal: a vitória de Portugal na Eurovisão, a vitória da Seleção no Europeu de Futebol... Depois, a forma como fomos recebidos por toda a equipa e a maneira como aceitaram a nossa experiência internacional e nos permitiram que os guiássemos nesta aventura têm sido marcantes. Sentimo-nos mesmo em casa.
Têm tido tempo para conhecer o resto do país?
Kathrine – Felizmente, sim. Estivemos no Douro, em Coimbra, na Bairrada, Alentejo, Cascais, Sintra. Temos conseguido viajar, conhecer o país e perceber a sua essência.
– Assumo, portanto, que confiam no sucesso desta aventura...
Sim, Portugal tem o que é preciso: o bom tempo, a gastronomia rica e um povo fantástico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras